header top bar

section content

Ex-É O Tchan fala após saída do grupo: ‘Houve agressão física no grupo’

Dançarina, que agora é loira, faz balanço de sua saída conturbada do grupo e fala dos planos para o futuro em ensaio na praia de Itapuã, na Bahia.

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

24/02/2017 às 14h25 • atualizado em 24/02/2017 às 14h46

Joyce Mattos durante ensaio: ela quer recomeçar (Foto: Geneson Lobo e Felipe Cabral)

Recomeçar. Esse é o lema de Joyce Mattos, 33 anos, e ex-morena do grupo É o Tchan. Depois de sua saída conturbada do grupo, com direito a um vídeo em que fazia denúncias de maus tratos, ela só quer esquecer o que passou e focar no futuro.

Uma das mudanças da nova Joyce está bastante visível. A ex-morena do Tchan agora é loira. “Jamais seria loira do Tchan. Fui morena porque tinha que ser morena, e me esforcei ao máximo para estar à altura da eterna dona deste lugar, que é Scheila Carvalho. Não cuspo no prato em que comi, mas jamais voltaria para o grupo”, diz ela que, em entrevista durante o ensaio fotográfico na Praia de Itapuã, revelou ainda que foi agredida por Cumpadre Washington.

“Houve agressão física, sim. Uma vez ele me sacudiu no palco, em um show que fui fazer sozinha. Foi em Pernambuco, na frente de todo mundo”, lembra ela que do antigo trabalho só quer receber tudo o que tem direito e focar no futuro, na carreira de cantora. Procurada pelo EGO, a assessoria de imprensa do É O Tchan disse que Cumpadre Washington não irá se manifestar: “Sobre esse assunto, O É O Tchan não vai mesmo se pronuncia.”

O que houve com o vídeo? Você vazou aquelas reclamações sobre o grupo de propósito?
Joyce Mattos: Não fui demitida por causa do vídeo. O vídeo foi feito para uma pessoa. Quando cheguei de viagem, fui chamada para uma reunião. Eles queriam assinar minha carteira, mas não queriam acertar valores retroativos, queriam assinar como se a gente ganhasse salário mínimo, só que a gente ganhava cachê. A partir daí meu empresário disse que não poderia ser assim, que se fosse o caso, me demitissem, que eu não iria pedir pra sair e ficamos entendidos. Só que a pessoa para quem mandei o vídeo vazou as imagens. A pessoa me traiu, vazou o vídeo e eles usaram isso para dar satisfação pela minha saída.

No vídeo você fala de agressão moral. Sofreu algum tipo de agressão?
Teve agressão moral, sim, e durante os cinco anos que trabalhei no grupo, houve agressão física também. Uma vez ele (não fala o nome, mas refere-se a Cumpadre Washington) me sacudiu no palco, em um show que fui fazer Pernambuco. Foi na frente de todo mundo. Ele bebeu muito e se incomodou porque eu brincando com um roadie. Ele me sacudiu e depois me colocou para fora do palco. Sempre presei a imagem dele e nunca falei sobre isso, mas depois que fui enxovalhada por familiares dele, resolvi falar. Já fui agredida por ele, sim. Em show, ele esbarrava na gente, dava cotovelada, bicudinha no pé.

EGO

A FAVOR DA REFORMA

Empresário diz que Justiça do Trabalho só penalizava os patrões e chama a CLT de ‘excrescência jurídica’

DA REGIÃO DE CAJAZEIRAS

VÍDEO: Do assassinato do pai ao sucesso na política, prefeito conta trajetória de superação no Interview

'AULÃO SOLIDÁRIO'

VÍDEO: Ordem DeMolay de Cajazeiras promove aulão gratuito preparatório para o ENEM; veja como participar

ENTRETENIMENTO

Maria Calado na TV com os integrantes do espetáculo “Trinca mas não quebra” e o cantor Lucas Soares