header top bar

section content

Mulher diz que morreu, voltou à vida e, agora, tem visão de raio-X

Além disso, ela é capaz de falar vários idiomas e consegue adivinhar o que uma pessoa está pensando.

Por Priscila Belmont

24/03/2017 às 09h04

Kaden, 32 anos, disse que ficou praticamente morta, em coma, durante 15 anos.

Uma mulher dos Estados Unidos provocou polêmica ao participar de um programa de televisão no país. Kaden, 32 anos, disse que ficou praticamente morta, em coma, durante 15 anos, e quando voltou à vida, tinha habilidades, como falar em vários idiomas e, inclusive, diz ter visão de raio-X.

“Deus me mandou de volta com uma missão e alguns dons. Eu consigo falar francês, sei o alfabeto bengalês e posso entender qualquer tipo de idioma. Além disso, a coisa mais louca que acontece é poder ouvir o que uma pessoa está pensando antes dela falar”, revelou Kaden ao programa Dr. Phil.

A jovem diz ainda que consegue ver por dentro das pessoas. “Identifico onde a pessoa quebrou um osso, por exemplo”, disse. Além disso, ela é capaz de sentir a presença de espíritos. Segundo Kaden, essas habilidades fizeram com que ela ajudasse o namorado após descobrir que ele foi abusado quando criança.

“Não me incomoda quando as pessoas duvidam das minhas habilidades porque sou apenas uma mensageira de Deus”, afirma. No entanto, quando apresentador indagou se ela poderia dizer o que ele estava pensando, a mulher desconversou. “Não é algo tão fácil assim, ainda mais com tanta pressão”, disse. A plateia apenas ria de Kaden, pois ela não conseguiu mostrar nenhuma habilidade que dizia ter.

Metrópoles

“Boca Quente” fala sobre Nilvan, Josival, Gutemberg e narra fato que mais lhe chamou atenção na área policial

PROGRAMA XEQUE-MATE

VÍDEO: Padre e missionários falam sobre recuperação de dependentes químicos na região de Cajazeiras

DIÁRIO ESPORTIVO

Ao lado de grandes nomes da imprensa, Diário Esportivo debate as rodadas da Série C e D do Paraibano

PARTIU PARA O ATAQUE

VÍDEO: Júnior Araújo diz que José Aldemir vai perseguir servidores que não apoiarem campanha de Paula