header top bar

section content

Jovem de 22 anos ganha vida como ‘sereio’ no Rio de Janeiro

O que começou como brincadeira hoje é um meio de vida, e Davi Moreira cobra até R$ 200 por aparição como “sereio” em baladas gays e pool parties.

Por Priscila Belmont

27/03/2017 às 16h19

Além de ser uma profissão, Davi Moreira leva a questão do sereismo a sério. Créditos: Reprodução / Instagram / @davihmoreira

Próximo dia 3 de abril, a Rede Globo estreia a nova novela das 21h, “A Força do Querer”, da autora Glória Perez. Na atração, a atriz Ísis Valverde viverá uma personagem que acredita ser uma sereia. O sereismo então tem tudo para entrar na moda.

Mas antes mesmo de virar assunto, o jovem carioca Davi Moreira, de 22 anos, já era apaixonado pelo tema. “Sempre me senti diferente dos outros meninos. Tinha muita felicidade em nadar, era a única coisa que eu amava de verdade”, contou em uma entrevista do site Ego. “Comecei a fazer natação aos 8 anos, sempre imitando a ‘Pequena Sereia’. Meu professor até brigava porque eu só queria saber de mergulhar igual a uma sereia”, lembra.

O que começou como brincadeira hoje é um meio de vida, e Davi Moreira cobra até R$ 200 por aparição como “sereio” em baladas gays e pool parties. Ele, inclusive, se intitula o primeiro “sereio” brasileiro, mesmo esse não sendo o termo correto para o correspondente masculino da sereia (a expressão correta é tritão).

Davi, no entanto, explica por que prefere utilizar “sereio”. “Queria utilizar um meio-termo, porque não me considero completamente masculino”, explica. “Estou entre um e outro. Não sou sereia nem tritão, por isso criei o personagem”.

O jovem, que faz faculdade de Artes Cênicas, tem um canal do Youtube com mais de 1,7 milhão de visualizações. Ele usa o canal para tirar dúvidas sobre o tema e fazer paródias e curtas-metragens.

Sobre as críticas que recebe, o jovem desabafa: “Recebo muitas. As pessoas acham isso ridículo, nadar de causa em uma praia. Falam que é infantil”, conta. “Mas não importa. Se uma pessoa pode levar uma prancha, por que não posso nadar de cauda?”, indaga. “É a minha maneira de amar o mar”.

Além de ser uma profissão, Davi Moreira leva a questão do sereismo a sério. “Quando usamos uma cauda, não é simplesmente uma fantasia, uma brincadeira”, esclarece. “É um estilo de vida que engloba uma filosofia extensa. É a minha forma de me relacionar com a natureza. É cuidar do mar, dos animais, é não sujar a praia. É como externar sua alma”, filosofa.

Catraca Livre

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan