header top bar

section content

Aplicativos podem conspirar para roubar informações de seu smartphone; fique de olho!

Estudo alerta para o compartilhamento em massa de dados sem a autorização do usuário, via apps do Android

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

04/04/2017 às 09h37 • atualizado em 03/04/2017 às 21h39

110 mil apps foram analisados; dentre eles, os 100 mil mais populares do Android (Foto: Veja/Divulgação)

Cuidado, suas informações podem estar sendo contrabandeadas agora mesmo. Um estudo apresentado por pesquisadores do Instituto Politécnico da Universidade da Virgínia (Estados Unidos) concluiu que alguns aplicativos do sistema operacional Android podem estar, secretamente, dividindo os dados e informações pessoais dos usuários.

Durante três anos, o grupo de pesquisadores analisou pouco mais de 110 mil aplicativos (dentre eles os 100 mil apps mais populares disponíveis para Android, além de 10 mil amostras de vírus de celular). Para tal análise, os pesquisadores desenvolveram o DIALdroid, uma ferramenta capaz de avaliar automaticamente a coligação entre dados de milhares de aplicativos.

O estudo revelou que, de acordo com o funcionamento de alguns aplicativos, existem brechas de segurança que podem vazar informações a respeito do dono do smartphone, deixando-o vulnerável a roubo ou utilização indevida de seus dados. Tais falhas de cibersegurança permitem que os softwares compartilhem entre si informações do usuário, como, por exemplo, a agenda de contatos, localização, imagens, acesso à web. Isso quer dizer que, ao acessar um app de mapeamento comprometido por um vírus, o usuário pode ter também outros dados, como os de suas senhas de e-mail, revelados ao invasor.

Os programas analisados foram divididos em duas categorias: os apps de vírus, que atacam os sistemas dos aparelhos intencionalmente em busca de informações do usuário; e também aqueles que apenas apresentaram brechas permitindo o acesso a dados do usuário. Neste último caso não foi possível identificar se os compartilhamentos era intencionais ou não; mas de fato eles aconteciam.

A equipe ainda descobriu que os pequenos apps de personalização de toque, emojis e temas de tela/plano de fundo são os que mais oferecem risco ao usuário. Para os pesquisadores, o estudo deve servir como um sinal de alerta para que, principalmente, as indústrias que desenvolvem softwares proporcionem aos usuários mais segurança com seus produtos.

Veja

XEQUE-MATE

VÍDEO: Vereador de Cajazeiras e educadores esclarecem polêmicas sobre a identidade de gênero nas escolas

DIÁRIO ESPORTIVO

Tudo sobre as novas contratações e a preparação dos times para o Campeonato Paraibano 2018

PSICOLOGIA NO AR

VÍDEO: Psicólogos debatem comportamento do ‘stalker’ nas redes sociais e quando o amor se torna obsessão

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa: Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Batista Independente