header top bar

section content

Médicos fazem alerta sobre moda de usar pílula de glitter na vagina

O produto é vendido em comprimido que se dissolve lentamente e preenche tudo com um líquido cintilante e cremoso

Por Priscila Belmont

05/07/2017 às 09h15

O produto ainda não pode ser encontrado no Brasil.

Já imaginou deixar um rastro brilhante durante e após o sexo? Pois é, tem gente que nutre esse reluzente desejo. E, por isso mesmo, já existem na internet lojas especializadas na comercialização de pílulas com glitter, que devem ser colocadas no local pouco antes da hora de transar. Esse comprimido irá se dissolver lentamente e vai encher tudo com um líquido cintilante e cremoso.

A descrição em um dos sites que comercializa o produto é a seguinte: “Uma pequena cápsula que você insere na sua vagina e ela vai se dissolvendo naturalmente, soltando o conteúdo”. Ainda de acordo com o vendedor, não causa qualquer sensação “mágica ou sobrenatural”.

No entanto, os médicos do Reino Unido, onde a prática já está um pouco mais difundida, alertam para o perigo do produto. Segundo especialistas ouvidos pelo jornal Daily Mail, o glitter pode causar infecções. Além disso, a pílula contém açúcar. “Colocar açúcar na sua vagina pode fazer proliferar bactérias”, diz a médica Jen Gunter.

O vendedor, no entanto, rebate as acusações na própria página do produto. “Se você tem um problema na vagina, continuará tendo se usar ou não o Passion Dust. Se tem uma infecção, com certeza, não foi causada pelo glitter, apenas aconteceu. O conteúdo não faz nada biologicamente ou fisiologicamente no corpo”, explica.

O produto ainda não pode ser encontrado no Brasil.

Metrópoles

ALFINETOU

VÍDEO: Aliado do prefeito destaca asfaltamento de ruas de Cajazeiras e alfineta grupo de Carlos Antonio

REVELAÇÃO

VÍDEO: Emocionado, radialista fala de dificuldades na infância e revela que ‘amigo’ lhe ofereceu drogas

VEJA

VÍDEO: Gilvan de Andrade fala de experiência no Rádio em Cajazeiras e João Pessoa

VÍDEO

Padre anuncia reforma da paróquia São João Bosco de Cajazeiras a avalia atuação do bispo