header top bar

section content

Apresentadora do Jornal Nacional é vítima de preconceito no Facebook. Veja comentários!

As ofensas logo ganharam a atenção dos internautas e mensagens de apoio à Maria Julia

Por

03/07/2015 às 16h30

A jornalista Maria Julia Coutinho sofreu uma nova onda de ataques racistas na internet. Responsável pelo quadro de previsão do tempo do jornal, Maju tem recebido mensagens desse teor desde que assumiu o cargo.

Desta vez, em uma postagem feita na noite de quinta-feira (02) na página oficial do Jornal Nacional no Facebook, com a imagem de Maria Julia apresentando a previsão do tempo, usuários da rede social não se intimidaram e publicaram diversas mensagens de conteúdo racista direcionados à apresentadora. Muitas delas sugerem que a jornalista só estaria apresentando o quadro por ter entrado pelo sistema de cotas. "Só conseguiu emprego no JN por causa das cotas preta macaca", escreveu Ariel Vieira. Outra usuária, Maria Eduarda Bellai, postou "em pleno século 2015 ainda temos preto na TV".

As ofensas logo ganharam a atenção dos internautas e uma nova leva de mensagens de apoio à Maria Julia e contra as manifestações racistas também começou a ganhar força na publicação. Muitas lamentam o fato e apelam para uma atitude da rede Globo, responsável pelo telejornal, e do Ministério Público. "Espero que o Ministério Público não deixe barato", manifestou Priscilla Carvalho. "Uma negra linda, culta na tv.To começando a achar, que racismo é inveja", disse Rosemilsa Capucho.

Até o meio da tarde desta sexta-feira (03), a postagem já acumula mais de 4.300 mensagens.

ISTO É

'AULÃO SOLIDÁRIO'

VÍDEO: Ordem DeMolay de Cajazeiras promove aulão gratuito preparatório para o ENEM; veja como participar

ALÍVIO

VÍDEO: Presidente da OAB de Cajazeiras afirma que a Comarca de Bonito de Santa Fé não será mais fechada

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa com a participação dos membros da Igreja Rei dos Reis

CADASTRAMENTO

VÍDEO: Prazo final para biometria na região de Catolé do Rocha é antecipado, e Justiça alerta eleitores