header top bar

section content

Da Matta estreia com vitória e cheio de elogios ao Campinense: “Foi perfeito”

Técnico do Rubro-Negro destaca a obediência tática dos jogadores na vitória por 3 a 1 sobre o Sport e pede que o time não se acomode com o resultado para o jogo da volta.

Por Priscila Belmont

31/03/2017 às 10h20

Ney da Matta elogia a obediência tática do time em campo.

Quando chegou ao Campinense, há apenas quatro dias, é claro que o técnico Ney da Matta queria começar com o pé direito, estrear com vitória e vendo o time apresentar um futebol convincente. Mas o primeiro desafio era difícil – o Sport, pelas quartas de final da Copa do Nordeste – e, nem nos seus melhores sonhos, o novo treinador da Raposa cogitaria uma estreia tão empolgante: uma vitória incontestável por 3 a 1, no Amigão, que ele definiu com apenas uma palavra: “perfeito”.

O Campinense jogou um futebol autoritário, que mostrava quem era o dono da casa. Anulou o meio de campo do Sport no primeiro tempo. Atacou ora aberto pelas pontas, ora pelo meio, frente à frente com a defesa adversárias. Aproveitou um bom momento no jogo para marcar dois gols em apenas dois minutos ainda na primeira etapa. Resistiu bem à pressão do time pernambucano no início do segundo tempo, ainda que tenha sofrido um gol. Reagiu rápido e marcou o terceiro. Emplacou contra-ataques rápidos. Matou o jogo. Abriu uma boa vantagem para a partida da volta, no domingo.

Um dos estreantes da noite – o atacante Reinaldo Alagoano também fez seu primeiro jogo com a camisa da Raposa -, Ney da Matta preferiu voltar todos os méritos para o elenco. Para ele, foi importante demais a recepção que os atletas deram a sua metodologia e ao sistema de jogo.

– Na verdade, tem que dar muito mérito aos jogadores. Porque foi muito pouco tempo de trabalho, mudamos o sistema de jogo, e eles entenderam. Eu falei que o fator principal nesse jogo seria a obediência tática. O adversário tem alguns corredores nos quais podíamos entrar como elemento surpresa. E eles realmente entenderam, principalmente no corredor do Rithely e nas beiradas do campo, que foram muito bem preenchidos. Então parabéns para eles, pouco tempo de trabalho, e eles entenderam a hora que tinha que jogar naquela linha alta, na média e na baixa. Foi perfeito. Souberam trazer o adversário para dentro do nosso campo para explorar bem o que a gente tem, que é o contra-ataque, do lado esquerdo com Maranhão e do lado direito com Augusto – avaliou Ney da Mata.

De fato, os jogadores tiveram que se adaptar à estrutura que o novo treinador implantou para o duelo com o Sport. Jogando a maior parte dos jogos anteriores com três volantes, o Campinense foi a campo sem Fernando Pires – um dos principais nomes do meio de campo rubro-negro – e com dois pontas abertos – Maranhão e Augusto -, tendo Reinaldo Alagoano centralizado na área, mas com a incumbência de voltar para apoiar.

E o time funcionou. Deu trabalho ao goleiro Magrão, um dos melhores em campo. Pressionou o Sport. Com gols de Magno e Augusto, abriu 2 a 0 na primeira etapa, resultado que manteve até o intervalo. E, mesmo quando sofreu certa pressão no início do segundo tempo e sofreu um gol – marcado por Juninho -, soube encaixar contra-ataques e voltar a abrir dois gols de diferença, fazendo 3 a 0 com o gol de Reinaldo Alagoano.

Ney da Matta explicou essa disposição dos jogadores em campo, e elogiou a postura de Fernando Pires, que era titular absoluto e aceitou tranquilamente a reserva em favor do time. Pires, aliás, entrou no segundo tempo, no lugar de Maranhão e, na opinião do treinador, foi bem.

– No último treino que fizemos, eu não mexi no esquema e deixei os jogadores à vontade num primeiro momento; e na segunda parte tiramos o Pires e colocamos o Maranhão na beirada. E o legal de tudo é que o Pires vinha jogando e entendeu a proposta de jogo que a gente passou para os jogadores e, no jogo, o Pires mostrou mais uma vez que não são 11 que ganham o jogo; quem ganha jogo, realmente, é o grupo. E o Pires deu uma aula aqui no segundo tempo, na hora que precisamos dele. Vai ter jogo que ele vai entrar como titular. Então parabéns, não só para o Pires, mas para todos os jogadores, que entenderam a proposta de jogo. Agora temos que ter pé no chão, equilíbrio, se a gente não tiver equilíbrio a gente não faz nada. A palavra de ordem aqui foi equilíbrio, para jogar contra uma equipe tão forte, que é o time do Sport.

A vitória por 3 a 1 dá ao Campinense o direito de perder por até um gol de diferença – ou por dois, desde que marque pelo menos duas vezes – no jogo da volta, no domingo, para avançar para a semifinal da Copa do Nordeste. O duelo da volta com o Sport está marcado para às 16h do domingo e vai acontecer na Ilha do Retiro, em Recife.

Confira outros trechos da entrevista com Ney da Matta:

Saber administrar a vantagem
O mais importante de tudo é não sentarmos em cima do resultado, é continuar com a mesma postura, é saber que o adversário vai partir para cima da gente, é lógico isso, e a gente continuar respeitando taticamente e preenchendo os espaços que precisam ser preenchidos do mesmo jeito que foi preenchido aqui. Vai ser uma luta lá também.

Força da torcida
O calor que essa torcida passa é de causar inveja. Quem não se arrepiar com uma torcida dessa não pode jogar futebol. Parabéns para a torcida, parabéns para os atletas. A torcida resgatou o Jussimar, que saiu aplaudido. Ele vai errar, vai acertar; isso faz parte da nossa profissão. Agora é tranquilidade, pé no chão, porque no fim de semana é outra guerra.

Estreia de Reinaldo Alagoano
Quando se estreia como o Reinaldo estreou, é muito gostoso, mas o mais importante dele foi fazer as coisas funcionarem coletivamente. Hoje o Reinaldo deu pique, marcou as saídas dos zagueiros, fez a recomposição até o meio de campo. Não temos que dar os parabéns para o Reinaldo só pelo gol, mas também porque ele fez funcionar hoje coletivamente. Isso é importante para um grupo vencedor. No dia em que as coisas acontecerem e tivermos apenas um jogador dando resultado, está errado. Futebol não é individual. Futebol funciona coletivamente, e hoje foi a prova disso, que quem entrou nos ajudou demais.

Globo Esporte PB

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan