header top bar

section content

Apoio, pênalti e silêncio: o retorno de Bruno aos campos, sete anos depois

Goleiro é recebido com aplausos pela torcida do Boa Esporte em sua estreia, comete pênalti que resulta no empate do Uberaba e deixa gramado sem dar entrevistas

Por Luzia de Sousa

09/04/2017 às 10h47

Bruno cometeu pênalti, convertido pelo xará Bruno Henrique, do Uberaba (Foto: Ag Estado)

Foram 2499 dias desde a última partida como profissional, em junho de 2010, ainda pelo Flamengo. E neste sábado, Bruno Fernandes voltou aos gramados. Fez sua estreia pelo Boa Esporte, no duelo contra o Uberaba, pela abertura do hexagonal final da segunda divisão do Campeonato Mineiro, em Varginha/MG. Apesar do acolhimento da torcida presente no Estádio do Melão, o retorno aos campos não saiu como o planejado pelo goleiro. Ele cometeu um pênalti no 2º tempo e sofreu o gol que impediu a vitória de seu novo time: placar final de 1 a 1.

O goleiro de 32 anos foi preso em 2010 e condenado a 22 anos e 3 meses por homicídio e ocultação de cadáver de Eliza Samúdio e por sequestro e cárcere privado do filho Bruninho. No fim de fevereiro, porém, foi solto por uma liminar do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), que entendeu que a demora do julgamento do recurso dá o direito ao jogador de aguardar em liberdade (caso o recurso seja negado, ele voltará para a prisão), e contratado pelo Boa Esporte.

Sem protestos nos arredores do estádio
Do lado de fora do estádio, o ambiente era calmo. Não foram registrados protestos, diferentemente do ocorrido na semana da chegada do jogador, quando 20 mulheres fizeram uma manifestação e sofreram repreensões dos próprios torcedores do clube.

Diferentemente da reação predominantemente negativa nas redes sociais, o clima no estádio era de apoio a Bruno. A torcida do Boa Esporte parece ter comprado o discurso do clube. Ao menos os que foram ao estádio. Dos abordados, a imensa maioria aprovava a contratação do goleiro e estava ali especialmente para presenciar sua estreia. “Todos merecem uma segunda chance”, “A justiça que liberou ele”, “Não oferece perigo para a sociedade”, foram alguns dos comentários ditos pelos torcedores.

Um caso curioso foi do casal de mineiros Fábio e Bárbara, que foram acompanhados do filho ao estádio. Fã do goleiro, o homem foi para prestigiar Bruno: “Quem somos nós para julgá-lo”. Já a mulher foi por gostar de futebol e fez uma ressalva: “É um péssimo exemplo para as crianças. Evito até falar dele. Ainda tem que pagar e não devia ter voltado ao esporte, por ser influenciador das crianças”.

Bruno entra em campo acompanhado das filhas e de mais duas crianças (Foto: Regis Melo)

Público três vezes maior que a média do Boa Esporte
Do lado de dentro, a estreia de Bruno atraiu um público de 1.772 pessoas, quase três vezes mais que a média de cerca de 600 torcedores que o time experimentou na primeira fase do campeonato. Fundado originalmente em Ituiutaba, o Boa Esporte está há apenas seis anos em Varginha e não costuma levar muita gente aos jogos. O preço dos ingressos estava entre R$ 20 e R$ 30 e o clube lançou uma promoção “pague 1 e leve 2”. A renda total foi de R$ 12.605,00.

Nas arquibancadas era possível ver muitas crianças e mulheres. Familiares do jogador levaram uma faixa escrito “Somos todos Bruno”. O goleiro entrou em campo com as duas filhas e acompanhado de mais duas crianças. Foi recepcionado com aplausos dos torcedores e aos gritos de “Bruno, Bruno”.

Na camisa do Boa Esporte, o patrocinador master, o grupo Góis & Silva, ainda aparecia estampado na frente e um de seus produtos atrás, apesar o discurso inicial de que retiraria o patrocínio com a chegada do goleiro. O nome da empresa também estava presente em placas de publicidade ao redor do campo, assim como de outras marcas, que assinaram recentemente com o clube.

Primeiro tempo tranquilo…
No 1º tempo, Bruno foi pouquíssimo exigido. O Boa Esporte dominou as ações, pressionou o Uberaba no campo de defesa, e abriu o placar aos 22 com Jean Henrique. Bruno tocou na bola pela primeira vez aos seis minutos, em uma sobra na área onde saiu jogando com os pés e em outras três ocasiões, também em lances sem dificuldade. A cada vez que pegava na bola era aplaudido. A primeira jogada que levou um pouco mais de perigo veio nos minutos finais da etapa inicial. Bola alçada na área do Boa Esporte, Bruno sobe, agarra firme e cai no chão com ela nos braços.

No intervalo, alguns torcedores ensaiaram o coro de “É o melhor goleiro do Brasil”, mas o grito não tomou as arquibancadas. Na saída para o vestiário, houve uma pequena aglomeração no alambrado para ver o jogador mais de perto.

.mas cometeu pênalti e sofreu primeiro gol no retorno aos gramados na 2ª etapa (Foto: Ag Estado)

...pênalti, cartão, gol sofrido e saída em silêncio na segunda etapa
No 2º tempo, porém, a tranquilidade da estreia chegou ao fim. Logo aos 8 minutos, aparentando falta de timing ao tentar sair nos pés do atacante adversário, Bruno derrubou o xará Bruno Henrique na área, cometeu pênalti e ainda levou cartão amarelo. O jogador do Uberaba teve frieza para deslocar o goleiro e igualar o placar. O gol acabou sendo crucial para o empate no placar final. A torcida do Boa, mesmo chateada, mais uma vez perdoou o goleiro, que deixou o campo com semblante de insatisfação e seguiu direto para o vestiário em silêncio.

E depois de experimentar o acolhimento da torcida de seu novo clube, na próxima quarta-feira Bruno terá de enfrentar as provocações da torcida rival em seu primeiro jogo como visitante, contra o Patrocinense, pela segunda rodada.

GE

ENTREVISTA

VÍDEO: Programa Psicologia no Ar recebe professor doutor de Cajazeiras pra falar sobre Psicologia Social

INTERVIEW

VÍDEO: Autor do filme “Memória Bendita” fala sobre os desafios de promover cultura na região de Sousa

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa: Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Fonte de Água da Vida

MARIA CALADO NA TV

Maria Calado na TV recebe diretamente do Rio Grande do Norte, Fábio Carvalho; CONFIRA!