header top bar

section content

“Tenho 16 profissões e meu professor é o tempo, é Deus”; Presidente de Fundação que resgata crianças em Cajazeiras

"Era uma casa abandonada no meio dos matos para resgatar crianças em risco", disse Luiz Gomes sobre projeto

Por

18/01/2016 às 14h00

Presidente da Fundação Luiz Antônio Bezerra, em Cajazeiras, o Luiz Gomes no Interview

O Presidente da Fundação Luiz Antônio Bezerra, em Cajazeiras, o Senhor Luiz Gomes esteve no programa Interview e falou sobre o Projeto denominado José Rigonaldo, e de sua trajetória: "Tenho 16 profissões, não de teoria, mas na prática, e meu professor é o tempo, é Deus"; orgulhou-se Luiz sobre suas experiências laborais.

A Fundação

Tudo começou em uma casa abandonada no meio dos matos, relatou Luiz Gomes sobre a iniciativa de resgatar crianças em situação de risco através da Fundação Luiz Antônio Bezerra. 

Confessou ter terminado a sede da Fundação no ano passado, segundo ele com suas próprias mãos, já que é construtor, e com ajuda do governador do Estado, que teria enviado R$160.000 para esse objetivo. "Agradeço ao governador Ricardo Coutinho que se não fosse ele ainda estávamos com quatro paredes", reconheceu.

Descaso

Sobre a situação de vulnerabilidade em que vivem as ciranças 'de rua', Luiz desabafou: "Onde estão os governantes, temos que nos unir!"

Na oportunidade o presidente agradeceu as instituições que cooperam com o Projeto, como as polícias Militar e Civil, Bombeiros, Judiciário, dentre outras colaboradoras.

Veja mais no vídeo abaixo:

DIÁRIO DO SERTÃO

A FAVOR DA REFORMA

Empresário diz que Justiça do Trabalho só penalizava os patrões e chama a CLT de ‘excrescência jurídica’

DA REGIÃO DE CAJAZEIRAS

VÍDEO: Do assassinato do pai ao sucesso na política, prefeito conta trajetória de superação no Interview

'AULÃO SOLIDÁRIO'

VÍDEO: Ordem DeMolay de Cajazeiras promove aulão gratuito preparatório para o ENEM; veja como participar

ENTRETENIMENTO

Maria Calado na TV com os integrantes do espetáculo “Trinca mas não quebra” e o cantor Lucas Soares