header top bar

section content

Gás de pimenta: Pai chora ao retirar menino cadeirante durante confusão entre torcedores. Assista!

Policiais militares lançaram spray de pimenta em área de circulação do estádio

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

06/06/2016 às 10h08 • atualizado em 06/06/2016 às 10h10


Flamengo e Palmeiras levaram neste domingo ao estádio Mané Garrincha, em Brasília, 54.665 torcedores, o maior público presente registrado na atual edição do Campeonato Brasileiro. Mas a partida, vencida pelo Alviverde por 2 a 1, acabou ficando marcada também pela confusão no intervalo, quando torcedores e jogadores sofreram com os efeitos do gás de pimenta, usado por policiais militares na tentativa de evitar a invasão de torcedores do Palmeiras a um setor destinado a rubro-negros.

Lançado em uma área de circulação interna do estádio, o gás se propagou pelas arquibancadas e chegou até o gramado. Algumas crianças que foram ao estádio com o objetivo de se divertir foram as que mais sentiram os efeitos tóxicos. E uma imagem chamou a atenção e gerou preocupação do serviço médico. Vestido com uma camisa do Palmeiras, um menino cadeirante foi carregado nos braços pelo pai, que chorava ao retirar o filho das arquibancadas e o beijava no rosto. Um brigadista, que usava uma máscara para minimizar os efeitos do spray, conduzia a cadeira de rodas do menino.

Dentro do campo, jogadores também mostraram o desconforto com o spray de pimenta. O goleiro palmeirense Fernando Prass chegou a ter vômitos. O lateral rubro-negro Rodinei também mostrou incômodo.

Globoesporte

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan