header top bar

section content

Rodízio da Fifa pode colocar China na disputa para sediar Copa de 2030

Além disso, a Ásia conta com uma possível candidatura conjunta de dez países do Sudeste Asiático: Brunei, Camboja, Cingapura, Filipinas, Indonésia, Laos, Malásia, Mianmar, Tailândia e Vietnã

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

06/05/2017 às 09h03 • atualizado em 05/05/2017 às 18h44

Copa do mundo (Foto: Getty Images)

A disputa para sediar a Copa do Mundo de 2030 pode ganhar uma favorita a curto prazo: a China. As informações foram publicadas pelo jornal inglês The Daily Telegraph.

De acordo com o diário, a entidade máxima do futebol mundial deverá assegurar o rodízio de continentes entre os países-sede do torneio, política que havia sido abandonada em 2007. A iniciativa evitava que um mesmo continente recebesse duas vezes o torneio em um período de 12 anos.

Desta forma, em 2026, a Europa – que receberá o torneio na Rússia em 2018 – está descartada, dando força à candidatura conjunta de México, Estados Unidos e Canadá para 2026. A Colômbia também manifestou interesse, 12 anos após a Copa do Mundo de 2014 no Brasil.

Com o rodízio, a Ásia não poderia receber a Copa do Mundo em 2030 – em 2022, o Qatar será sede do torneio. Entretanto, segundo documento publicado pela Fifa na última quarta-feira (3), a política de rotação de continentes pode ser novamente derrubada “caso as circunstâncias assim exijam”.

A China é uma das potenciais candidatas da Ásia a sede da Copa de 2030. Além disso, o continente conta com uma possível candidatura conjunta de dez países do Sudeste Asiático: Brunei, Camboja, Cingapura, Filipinas, Indonésia, Laos, Malásia, Mianmar, Tailândia e Vietnã.

A Conmebol, por sua vez, conta com três possíveis candidatura: Argentina/Uruguai (em homenagem à Copa do Mundo de 1930, disputada em estádios uruguaios), Colômbia e Chile. Na Oceania, Austrália e Nova Zelândia também têm interesse em uma candidatura conjunta.

A Europa disputa a vaga separadamente com Alemanha e Inglaterra. Ao jornal, o presidente da FA (Associação de Futebol da Inglaterra), Martin Glenn, admite que o rodízio continental iria “ajudar” os ingleses, já que colocaria a Europa novamente no período de 12 anos.

Notícias ao Minuto Com informações da Folhapress

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa com a participação dos membros da Igreja Rei dos Reis

CADASTRAMENTO

VÍDEO: Prazo final para biometria na região de Catolé do Rocha é antecipado, e Justiça alerta eleitores

MITO DA INTERNET

VÍDEO: Fenômeno Gleyfy Brauly bate recorde de audiência no Xeque-Mate e canta sucessos no ‘imbromation’

CALDEIRÃO POLÍTICO

VÍDEO: Aliado releva que dois vereadores de oposição estão rasgando elogios ao prefeito Airton Pires