header top bar

section content

Ronaldo: ‘Dunga não é o nome ideal para a seleção, mas tirá-lo agora seria errado’

Ronaldo Fenômeno concedeu entrevista ao blog e fez declarações polêmicas

Por

11/12/2015 às 08h16

Marco Polo Del Nero, Dunga, Neymar, a CBF, a seleção brasileira, as (não) saudades de jogar futebol. Ronaldo Fenômeno concedeu a seguinte entrevista ao blog na manhã de quinta-feira, em São Paulo.
 
O que acha da situação atual da CBF?
Acho que [a eleição do Coronel Nunes] é mais uma manobra para manter o sistema corrupto atual. Me perguntaram se eu tenho nomes. Não tenho. É o momento de criar novas regras, permitir uma votação mais democrática, dar voz aos jogadores. Hoje eles [dirigentes atuais] comandam, colocam quem querem para continuar mandando. Querem manter a todo custo o poder.
 
Você quer assumir?
Meus negócios estão tomando todo o meu tempo. Eu até poderia administrar melhor o meu tempo e assumir algo. Mas o que me afasta é que o sistema é falho, é corrupto, a gente ouve falar em compra de votos, em fraudes, tudo para manter [o poder] entre eles. Justamente por isso eu não me atrevo a entrar nesse circuito. Muita coisa ainda vai acontecer, as investigações estão andando, os EUA estão interessados em desmontar o sistema. Ainda tem muita sujeira para aparecer. Quem sabe, depois disso tudo, quando novas regras forem criadas, aí sim passa a ser um objetivo. A CBF é o carro chefe, e aí você pode fazer coisas boas, melhorar a parte social, investir mais na formação de jogadores.
 
Você sentava à mesa com Marin e Marco Polo no COL. 
As reuniões eram de acompanhamento das obras, passar relatórios da organização da Copa. Eles estavam sempre presentes, mas o empenho deles não foi nem 5% do empenho que eu tive. Sabendo onde eu estava, eu me protegi, abrindo mão de qualquer benefício que eles pudessem te oferecer.
 
Nunca te incomodou trabalhar com eles? 
Eu estava ali com o objetivo de fazer algo pelo meu país. Todo mundo sonhava em ver a Copa no Brasil. De repente a gente consegue. E de repente vira um problema. Eu queria que fosse uma grande festa para o povo brasileiro, um marco histórico para o esporte. Gostaria que o legado fosse muito maior do que foi. Acho que a gente desperdiçou uma oportunidade de deixar um legado incrível. Mas não me arrependo de ter participado. O que fiz foi para meu país, sem nenhum benefício.
 
E o legado dentro de campo?
Os resultados ruins que a seleção brasileira teve nas duas últimas competições oficiais estão ligados à administração corrupta. Está longe do que a seleção brasileira pode apresentar ao mundo. Uma vez que o comando não inspira, a seleção vive um momento delicado. Acho que os jogadores tem que tentar jogar sem pensar nisso. A seleção não está entre as melhores do mundo e hoje e isso dói, porque sempre fomos os melhores.
 
O que acha da tese de que a geração é fraca?
Já tivemos gerações mais prósperas. Temos bons jogadores e um acima da média que é o Neymar. Sempre houve concorrência em todos os setores. Hoje a gente tem o Neymar e vive meio que na dependência dele.
 
Neymar está entre os três melhores do mundo. Pode ganhar?
Ele é o futuro. Acredito até que este ano não vai ganhar, mas é uma vitótira marvilhosa estar entre os três melhores. E o futuro dele é maravilhoso.
 
Dunga é o técnico ideal para a seleção?
Acho que não. Não é o ideal, mas também não vejo como tirá-lo agora. Tiveram oportunidade, inclusive, mas agora seria um outro erro tirar o Dunga. O treinador precisa de um tempo longo de trabalho para confiança dos jogadores. Perderam a oportunidade.
 
Que nome te agrada?
Eu gostaria de ver o Leonardo. O Tite também está merecendo muito o cargo. 
 
Você fez campanha para Aécio Neves. Defende o impeachment da presidente Dilma?
Eu apoio a mudança, o Brasil. A gente vê o noticiíario, todo dia um absurdo novo, um caso novo de corrupção. Apoio o Aécio sempre, meu amigo de muitos anos. Não conheço em detalhes a legislação sobre o impeachment, nem no Congresso parece estar muito clara a situação. Estamos vendo brigas no Congresso, discussões, até tapas. O retrato do Brasil é muito ruim.
 
Tem alguma saudade de jogar futebol?
Não. Eu não jogo mais. Assisto muito, mas jogar não. Só jogo tênis, quase todos os dias. Toda vez que jogo uma pelada me machuco. Para jogar tem que estar treinado, em forma. Já joguei muitos anos também, vai [risos]. 

Alguém te procurou para pedir apoio na eleição para presidente da Fifa?
Acho que no mundo todo só estão buscando advogados.

GE

A FAVOR DA REFORMA

Empresário diz que Justiça do Trabalho só penalizava os patrões e chama a CLT de ‘excrescência jurídica’

DA REGIÃO DE CAJAZEIRAS

VÍDEO: Do assassinato do pai ao sucesso na política, prefeito conta trajetória de superação no Interview

'AULÃO SOLIDÁRIO'

VÍDEO: Ordem DeMolay de Cajazeiras promove aulão gratuito preparatório para o ENEM; veja como participar

ENTRETENIMENTO

Maria Calado na TV com os integrantes do espetáculo “Trinca mas não quebra” e o cantor Lucas Soares