header top bar

section content

Maracanã demite 40% dos funcionários e alega ajuste para período

Consórcio formado por Odebrecht e AEG afirma que cessão do estádio ao COI para Jogos Olímpicos de 2016 motivou dispensas

Por

15/10/2015 às 13h44

Maracanã (Foto: Staff Images)

O consórcio que administra o Maracanã, formado por Odebrecht e AEG, demitiu 40% de seus funcionários. O motivo alegado é o período no qual o estádio será cedido ao Comitê Olímpico Internacional (COI) para os Jogos Olímpicos de 2016 no Rio de Janeiro, de até nove meses, no qual muitos dos profissionais ficariam ociosos.

"O Maracanã comunica que ajustou seu quadro funcional para se adaptar ao período de exclusividade dos Jogos Olímpicos, quando deverá ceder suas instalações ao COI por até nove meses", escreveu o consórcio em comunicado enviado a ÉPOCA. "Dos 80 funcionários, 32 foram desligados da empresa, que vem realizando todos os esforços para reduzir custos de operação e equilibrar receitas."

Na realidade, além da razão citada pelo Maracanã, há várias outras que fragilizam o negócio. Há a incerteza gerada pela renegociação do contrato de cessão do estádio com o governo do Rio de Janeiro, ainda em andamento. O mau momento da economia brasileira prejudica. Até a guerra com a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FFERJ) no início do ano, quando Rubens Lopes, presidente da entidade, e Eurico Miranda, presidente do Vasco, uniram-se para impor preços de ingressos, atrapalhou a operação do estádio em 2015.

Têm contratos com o Maracanã, no Rio, Flamengo e Fluminense.

POR RODRIGO CAPELO/ ÉPOCA

Tags:
PARA A ETERNIDADE

VÍDEO: Programação de 70 anos do Atlético começa com exposição histórica que promete encantar Cajazeiras

ALFINETOU

VÍDEO: Aliado do prefeito destaca asfaltamento de ruas de Cajazeiras e alfineta grupo de Carlos Antonio

REVELAÇÃO

VÍDEO: Emocionado, radialista fala de dificuldades na infância e revela que ‘amigo’ lhe ofereceu drogas

VEJA

VÍDEO: Gilvan de Andrade fala de experiência no Rádio em Cajazeiras e João Pessoa