header top bar

section content

Seleção Brasileira precisa vencer e convencer para recuperar a confiança perdida

Depois do trauma do 7-1, seguido por outro vexame na Copa América, a não classificação para a Copa do Mundo causaria danos inimagináveis para a única seleção

Por

13/10/2015 às 07h26

Jogadores do Brasil durante partida contra o Chile, em Santiago, no dia 8 de outubro de 2015 (AFP)

A seleção brasileira entra em campo nesta terça-feira, na Arena Castelão, em Fortaleza, contra a Venezuela, em busca dos primeiros pontos nas eliminatórias da Copa do Mundo de 2018, para tentar resgatar diante da torcida um pouco do orgulho ferido.

A derrota por 2 a 0 para o Chile, a primeira da história do Brasil numa estreia de eliminatórias, mostrou que o caminho rumo à Rússia promete ser cheio de percalços e os comandados de Dunga precisam reagir e reencontrar um futebol digno do país pentacampeão mundial.

Depois do trauma do 7-1, seguido por outro vexame na Copa América, a não classificação para a Copa do Mundo causaria danos inimagináveis para a única seleção que participou de todas as edições do torneio.

O revés de Santiago, diante dos campeões continentais, não foi uma surpresa, e tampouco pode ser visto como uma catástrofe.

Até porque, como Dunga bem lembrou, o Brasil, por mais que tenha se mostrado totalmente sem inspiração no ataque, até conseguiu equilibrar o jogo, pelo menos no primeiro tempo.

Mas espera-se muito mais de uma seleção com tanta tradição, que não terá direito ao erro diante da torcida. Espera-se que receba um apoio incondicional no Castelão, onde lançou-se a moda de cantar a parte final do hino nacional à capela durante a Copa das Confederações.

– Fecha-se o ciclo da 'Neymardependência'-

O adversário desta terça-feira é bem mais fraco que o Chile, mas precisa ser encarado com cautela. Na Copa América, a Venezuela fez jogo duro com o Brasil, que suou para vencer por 2 a 1 e garantir a vaga para as quartas de final.

Foi justamente a primeira partida sem Neymar, que na rodada anterior foi expulso na derrota para a Colômbia (1-0) e acabou levando a suspensão de quatro jogos por ofender o árbitro.

A 'Neymardependência', portanto, chega ao fim contra o mesmo adversário com a qual começou.

Depois da vitória difícil sobre a 'Vinotinto', o Brasil foi eliminado nos pênaltis pelo Paraguai, como na edição anterior.

Nos dois amistosos de setembro, Dunga resolveu levar Neymar aos Estados Unidos, mas o craque entrou apenas no segundo tempo. No segundo jogo, contra a seleção americana, marcou dois gols e deu o toque de gênio que fez tanta falta na última quinta-feira, contra o Chile.

– Pragmatismo –

Sem o camisa 10, o protagonismo tem sido de Willian, que aproveitou bem os espaços deixados pelo Chile nos contra-ataques, mas mostrou pouca eficiência no último passe e nas finalizações.

Perguntado sobre a necessidade de vencer a Venezuela de forma convincente, o meia do Chelsea preferiu usar um tom pragmático.

"Uma vitória por 1 a 0 é um bom resultado, o objetivo é ganhar os três pontos, é isso que importa. Antes, poderia até ter sido goleada certa, mas hoje é mais difícil. Ganhamos apenas por 2 a 1 na Copa América", lembrou Willian.

"Vamos enfrentá-los de igual para igual, como na Copa América. O nosso forte é coletivo", avisou o atacante venezuelano Salomón Rondón, ex-companheiro de clube de Hulk no Zenit São Peterburgo, que joga hoje no West Ham, da Inglaterra.

"Na Copa América, eles abriram vantagem de 2 a 0, mas passaram sufoco quando fizemos um gol, por isso temos que tentar marcar logo", avisou a principal estrela da seleção comandada por Noel Sanvincente.

No total, Brasil e Venezuela se enfrentaram 22 vezes, com 19 vitórias para a 'amarelinha' e apenas um da 'vinotinto', em amistoso disputado em 2008, em Boston, nos Estados Unidos (2-0), com Dunga como técnico, em sua primeira passagem pela seleção.

– Mudanças à vista –

Para evitar outra surpresa desagradável, o treinador deve fazer algumas mudanças em relação à estreia contra o Chile.

A única certeza é que David Luiz, lesionado, não joga. Deve ser substituído por Marquinhos, seu companheiro de clube no Paris Saint-Germain.

Outro atleta do PSG, Lucas chegou a treinar entre os titulares no domingo e seu 'xara' Lucas Lima, do Santos, pode entrar na vaga de Oscar.

Na lateral esquerda, a expectativa é que Marcelo dê lugar a Filipe Luís, titular habitual da posição.

Ainda existe a possibilidade do veterano Ricardo Oliveira, artilheiro do Brasileirão, começar jogando, deixando Hulk no banco.

O santista tem a vantagem de ser um centroavante de estilo mais tradicional, que serve de referência na área, como deseja Dunga, enquanto o paraibano não está acostumado a jogar desta forma no seu clube.

A partida começa às 22h00 (no horário de Brasília), e será apitada pelo uruguaio Darío Ubriaco, auxiliado pelos compatriotas Carlos Pastorino e Nicolás Taran.

– Prováveis escalações:

Brasil: Jefferson – Daniel Alves, Miranda, Marquinhos, Filipe Luis – Luiz Gustavo, Elias – Lucas Moura ou Willian, Lucas Lima, Douglas Costa e Hulk. T: Dunga.

Venezuela: Alain Baroja – Roberto Rosales, Oswaldo Vizcarrondo, Franklin Lucena, Gabriel Cíchero – Tomás Rincón, Luis Manuel Seijas, César González, Jeffren Suárez – Juan Falcón e Salomón Rondón. T: Noel Sanvicente.

MSN

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan

DIÁRIO ESPORTIVO

Diário Esportivo recebe os organizadores do 1º Eco pedal e o garoto prodígio do futebol Luiz Felipe

MENSAGEM DE ESPERANÇA

Programa Mensagem de Esperança com Maria Vitória e Rodrigo Almeida 11.08.2017