header top bar

section content

Atletas do Botafogo acusam auxiliar de injúria racial contra rival e se revoltam

Auxiliar Sousa Júnior teria ofendido o lateral-esquerdo do Treze com termo racista. Jogadores do Belo ouviram e foram tomar satisfação. Incidente foi no Paraibano 2015

Por

21/05/2015 às 07h30

Sousa Junior disse que falou em tom de brincadeira, mas que foi mal interpretado (Foto: Cadu Vieira)

Um suposto caso de injúria racial envolveu o Clássico Tradição desta quarta-feira, disputado entre Botafogo-PB e Treze no Estádio Almeidão, em João Pessoa, em partida válida pelo quadrangular final do Campeonato Paraibano. O gerente de futebol do Treze, Joba Barbosa, e jogadores do rival Botafogo-PB acusaram o auxiliar de arbitragem Sousa Júnior de ter cometido injúria racial contra o lateral-esquerdo trezeano Panda, perto do fim do duelo entre os dois times.

O caso teria sido tão grave, que após o apito final os atletas botafoguenses deixaram de lado a rivalidade que cerca o clássico e foram tomar satisfação com o auxiliar. Partiram para cima dele. Reclamaram. E demonstraram estar todos muito revoltados (assista ao vídeo abaixo). 

Um dos mais indignados era o volante do Belo, Zaquel, que garante que Sousa Júnior chamou Panda de “porra preta”. Zaquel diz que, na hora do xingamento, questionou Sousa Júnior se o fato dele ter “olhos verdes” lhe dava o direito de falar aquilo. Outros jogadores do Belo também reclamaram do auxiliar de arbitragem.

O volante Guto, visivelmente nervoso, reclamava do auxiliar de arbitragem:

– Peça pelo menos desculpas – gritou várias vezes ainda dentro de campo.

Em meio à polêmica, os dois protagonistas do caso têm versões diferentes sobre o incidente. Sousa Júnior até admite o uso da palavra "negão", mas diz que tudo não passou de uma brincadeira mal interpretada pelos botafoguenses.

– O fato é que eu e Panda somos amigos. Ele reclamou de algo e eu, tirando onda, falei: “Porra, negão”. Não foi com maldade alguma, mas os jogadores do Botafogo foram para cima de mim. Mas não teve nada a ver – declarou Sousa Júnior.

Panda tem uma versão diferente. Pondera que não ouviu o xingamento, mas garante que não é amigo, nem mesmo tem nenhum tipo de intimidade com Sousa Júnior.

– Não sou amigo dele. Talvez ele disse mesmo alguma coisa e depois se arrependeu. Está com a consciência pesada. Mas particularmente eu não escutei nada. Agora, tudo o que posso dizer é que esse é um fato lamentável. Infelizmente ainda existe racismo no futebol – destacou, dizendo em seguida que só vai levar o caso adiante se tiver provas da agressão.

Apesar de Panda dizer que não escutou nada, Joba Barbosa é enfático:

– Teve (injúria racial). E foi com a bola rolando ainda. Não sei se Panda vai querer levar o caso a frente, mas teve – garantiu.

Dentro de campo, o jogo entre Botafogo e Treze terminou empatado em 1 a 1 e os dois times se complicaram na competição. O Belo tem dois pontos e o Galo 1. Se o Campinense vencer nesta quinta-feira o Auto Esporte, por exemplo, a Raposa se isolaria na ponta da tabela com seis pontos conquistados.

GE

MERCADO NEGRO

EXCLUSIVO: Padre denuncia que Cajazeiras está repleta de ‘locadoras de armas’: “A polícia sabe” – VÍDEO!

PARABÉNS

VÍDEO: Veja a mais nova música que homenageia a cidade de Cajazeiras nos seus 154 anos de emancipação

AO VIVO

Assista ao Debate de Cajazeiras completo; vários temas foram levantados para melhorar a cidade

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor