header top bar

section content

“Vai ser uma choradeira danada”. Diz jogador que vestiu a camisa do Flamengo por 10 anos

Sétimo jogador que mais vestiu a camisa do Flamengo, lateral-direito se despede do clube diante da torcida no Maracanã

Por

04/03/2015 às 07h20

Com os olhos marejados, Léo Moura olha para o céu na última coletiva no Ninho (Foto: Gilvan de So

Em uma época em que os andarilhos ficam cada vez mais comuns no futebol, aqueles que trocam de camisa como trocam de roupa, é de se valorizar alguém que consiga ficar uma década sob um mesmo teto. Mais ainda por esse teto envolver a maior torcida do Brasil.

No Flamengo, Léo Moura conseguiu esse feito, ironicamente após rodar por quase 10 clubes em poucos anos de carreira. Torcedor do Rubro-Negro desde pequeno, botou o coração na ponta da chuteira para defender as cores do time. E foi lá, com uma longa trajetória de sucesso, que ele conquistou não só seu primeiro título como profissional, mas todos: um Campeonato Brasileiro (2009), duas vezes a Copa do Brasil (2006 e 2013) e cinco Cariocas (2007, 2008, 2009, 2011 e 2014).

No entanto, chegou a hora do adeus. Após 10 anos, Léo está de saída para o Fort Lauderdale Strikers, dos EUA, por um projeto de vida, como ele mesmo diz. Como justa homenagem, o Flamengo preparou um amistoso de despedida para esta quarta-feira, às 22h (de Brasília), com o Nacional, do Uruguai. É o capítulo final de uma bela história construída com a camisa 2. É o fim do ciclo do sétimo jogador que mais vestiu a camisa rubro-negra na história, com 518 apresentações. Que sai, mas que certamente continuará acompanhando o time de coração, agora como torcedor, esteja onde estiver. Por tudo isso, a choradeira é certa, segundo ele.

– Vai ser uma choradeira danada. Sei que os torcedores que fizerem esse esforço de estar naquele momento, e os outros que também não puderem e vão acompanhar da televisão, sei que vão torcer por um atleta que se doou e foi vencedor. Vai ser uma emoção difícil de segurar. Mas também não seguro. Se tiver que chorar, vamos chorar, porque vai ser de alegria e felicidade – afirmou o capitão.

O amistoso é festivo, porém, servirá para Vanderlei Luxemburgo preparar a equipe de olho na próxima rodada do Carioca, no sábado, quando o Fla encara o Friburguense. A volta de dois jogadores importantes casou com a despedida de Léo Moura. Recuperados de lesão, Paulinho e Anderson Pico foram relacionados para a partida e devem entrar para ganhar ritmo, uma vez que serão permitidas 11 substituições. O treinador deve usar o time titular no primeiro tempo e os reservas no segundo. A braçadeira de capitão, claro, será de Léo mais uma vez, assim como a lateral direita – Pará deve começar improvisado na esquerda.

Envolvido com a disputa do Torneio Clausura do Uruguai, o Nacional mandou ao Brasil uma equipe mista, formada por diversos atletas jovens. Os dois principais jogadores serão poupados: o meio-campo Recoba e o atacante Loco Abreu, ídolo da torcida do Botafogo, nem viajaram para o Rio, além do técnico Álvaro Gutiérrez, que ficou em Montevidéu preparando o time principal para o jogo contra o El Tanque Sisley. A equipe será comandada por Juan Carlos Blanco, secretário esportivo do Nacional.

 

Globo Esporte

A FAVOR DA REFORMA

Empresário diz que Justiça do Trabalho só penalizava os patrões e chama a CLT de ‘excrescência jurídica’

DA REGIÃO DE CAJAZEIRAS

VÍDEO: Do assassinato do pai ao sucesso na política, prefeito conta trajetória de superação no Interview

'AULÃO SOLIDÁRIO'

VÍDEO: Ordem DeMolay de Cajazeiras promove aulão gratuito preparatório para o ENEM; veja como participar

ENTRETENIMENTO

Maria Calado na TV com os integrantes do espetáculo “Trinca mas não quebra” e o cantor Lucas Soares