header top bar

section content

Em noite iluminada, São Paulo bate o Atlético-MG e engrena no Brasileiro

Tricolor chega ao 3º triunfo seguido com gol de Welliton após falha da zaga rival. Marcos Rocha perde gol incrível, e série invicta do Galo acaba

Por

19/09/2013 às 07h19

A sorte que ajudou o campeão do Atlético-MG na histórica campanha na Taça Libertadores parece que mudou de estado e tenta afastar de vez o São Paulo do rebaixamento no Campeonato Brasileiro. Eliminado de forma categórica do torneio sul-americano pelos mineiros, o Tricolor venceu nesta quarta-feira e chegou à terceira vitória seguida ao bater o Galo por 1 a 0, no Morumbi, diante de um adversário que estava entalado na garganta. Ronaldinho Gaúcho, destaque dos mineiros nos jogos na Libertadores, era muito vaiado pelos são-paulinos a cada vez que tentava uma jogada de efeito.

Com uma equipe dominando cada tempo, só uma grande falha ou uma jogada genial poderia mudar o placar. Muricy, em um retorno iluminado ao clube que o revelou como jogador e técnico (100% de aproveitamento, com três vitórias), viu Marcos Rocha e Victor se atrapalharem e Welliton marcar de cabeça. Cuca, que imaginava ter acabado com a fama de azarado, foi ao desespero quando o mesmo lateral perdeu um gol incrível e a chance de empatar ainda na primeira etapa.

O São Paulo, 18º durante a troca de treinador, agora já aparece em 13º lugar, com 27 pontos, e caminha para espantar o perigo da inédita queda para a Série B. O Atlético-MG não consegue aumentar a ótima sequência de dez partidas sem perder, sendo duas vitórias seguidas. Está uma posição acima dos paulistas, com 28.

Essa foi a sexta partida entre são-paulinos e atleticanos em 2013, quatro pela Libertadores e duas pelo Brasileirão. O retrospecto ainda é favorável aos mineiros. São três vitórias, um empate e dois triunfos paulistas.

Na próxima rodada, o São Paulo enfrenta o Goiás, domingo, às 16h, no estádio Serra Dourada, em Goiânia. O Atlético-MG recebe o Vasco, no mesmo dia, às 18h30m, no Independência, em Belo Horizonte.

Marcos Rocha ajuda, e São Paulo abre o placar

Sistemas táticos idênticos, dependências semelhantes e um primeiro tempo travado. São Paulo e Atlético-MG lutaram bastante pela bola, quase uma guerra por espaço no meio de campo. Ronaldinho e Ganso correram, procuraram sair da forte marcação, mas não foram brilhantes como se esperava. Restou a sorte de uns e o azar de outros para fazer a diferença e colocar os paulistas em vantagem diante de mais um ótimo público no Morumbi – 28.503 pagantes, para uma renda de R$ 338.735,00.

O São Paulo procurou o ataque desde o início. Muricy montou a equipe com jogadores abertos pelos lados na frente para impedir que Junior Cesar e Marcos Rocha avançassem. A bola não poderia chegar a Ronaldinho e, consequentemente, ao ataque. Welliton, pela esquerda, nas costas do lateral-direito, foi quem mais deu trabalho. As melhores jogadas do Tricolor surgiram por aquele setor.

Com o ataque do Galo sem força para segurar a bola, Josué e Pierre fizeram o que puderam para travar o São Paulo. Faltava Luis Fabiano acordar. E ele despertou aos 26 minutos. Como nos bons tempos, protegeu a bola com o corpo, girou sobre a marcação de Leonardo Silva e chutou cruzado. Marcos Rocha errou o corte, Victor não conseguiu afastar, e a bola caiu na cabeça de Welliton, livre, debaixo do travessão. Primeiro gol do ex-gremista pelo novo clube.

A desvantagem fez o Atlético-MG acordar, principalmente no setor ofensivo. Ronaldinho deu mais velocidade à troca de passes e subiu o rendimento de Jô. Aos 36, mais uma falha do lateral, agora no ataque. O centroavante passou por Paulo Miranda e Rodrigo Caio na lateral e rolou para a área. Marcos Rocha apareceu de frente para Rogério Ceni e conseguiu chutar para fora. Inacreditável.

Galo aperta, mas São Paulo resiste

O Galo manteve no segundo tempo o ritmo dos minutos finais da etapa inicial. O time apostou na velocidade para envolver o adversário e apertar. No entanto, ao contrário da era anterior a Muricy, o São Paulo conseguiu suportar bem. Ganso, Jadson e Aloísio, que entrou no lugar de Welliton, lesionado, ajudaram a fechar o meio de campo e a proteger a defesa.

A exposição cada vez maior em busca da igualdade deixou o Atlético-MG vulnerável aos contra-ataques. Em um deles, o Tricolor quase ampliou. Após disparada de Aloísio e belo passe de Luis Fabiano, Jadson por muito pouco não acertou o ângulo direito de Victor.
Muricy tratou de aumentar ainda mais o poder de marcação do São Paulo com a entrada de Fabrício na vaga de Maicon. Antes que a troca fizesse efeito, o time teve nova oportunidade para decidir o jogo. Antônio Carlos aproveitou rebote na área e bateu forte, rasteiro. Victor defendeu no canto direito.

Os minutos finais foram de apreensão no Morumbi. Mesmo cansado, o Atlético-MG continuou em cima. Cuca avançou todos os jogadores, deixando apenas Josué e Leandro Donizete mais recuados. Ronaldinho, em uma cobrança de falta perto da área, desperdiçou a melhor chance. O São Paulo segue sem sofrer gol e com 100% de aproveitamento com Muricy. A bola pune, mas também ajuda.

GE

ENTREVISTA

VÍDEO: Programa Psicologia no Ar recebe professor doutor de Cajazeiras pra falar sobre Psicologia Social

INTERVIEW

VÍDEO: Autor do filme “Memória Bendita” fala sobre os desafios de promover cultura na região de Sousa

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa: Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Fonte de Água da Vida

MARIA CALADO NA TV

Maria Calado na TV recebe diretamente do Rio Grande do Norte, Fábio Carvalho; CONFIRA!