header top bar

section content

Flagrado três vezes, lutador diz que vai continuar fumando maconha: ‘Eu fumo, relaxo, e não tenho problemas’

O ex-rival de Anderson Silva afirmou que fumar o ajuda em seu dia-a-dia e até mesmo com as atividades de atleta profissional de MMA

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

22/02/2016 às 15h34

Nick Diaz não pretende parar de fumar maconha (Foto: Reprodução/ site UFC)

Apesar de já ter sido flagrado três vezes no exame antidoping pelo uso de maconha, o lutador norte-americano Nick Diaz não pretende abrir mão de continuar fazendo uso da erva. Em entrevista a revista High Times, o ex-rival de Anderson Silva afirmou que fumar o ajuda em seu dia-a-dia e até mesmo com as atividades de atleta profissional de MMA.

“Se eu estiver em casa, treinando, vivendo minha rotina, com certeza vou querer fumar. E vai me ajudar. Eu tento focar somente nos meus objetivos e não me preocupar com outras coisas. Então, eu fumo, relaxo, e não tenho problemas. Se eu for treinar o dia todo, vou querer fumar antes e depois do treino. E se eu acordar me sentindo mal, tenho certeza que vou melhorar logo após fumar um”, garantiu Diaz.

Drogas recreativas, como a maconha, são proibidas para uso durante o período de luta, mas não são consideradas doping quando usadas longe dessa fase. A última vez em que Nick Diaz foi pego no exame antidoping por uso da planta foi em 2015, no UFC 183, quando enfrentou Anderson Silva. Na ocasião, o americano recebeu uma suspensão de cinco anos e uma multa de 165 mil dólares (cerca de R$ 650 mil). No mesmo evento, o Spider também foi pego no doping pelo uso de anabolizantes e recebeu somente um ano de suspensão.

Essa decisão causou revolta e os advogados de Diaz conseguiram reduzir a suspensão do lutador para um ano e meio e sua multa para 100 mil dólares (cerca de R$ 395 mil). Com a nova sentença, o americano está apto a voltar ao octógono a partir de julho deste ano. E ele promete voltar “em grande estilo”.

Nick Diaz não vive o melhor de sua carreira. Com 26 vitórias, nove derrotas e duas lutas sem resultado, o ex-campeão do Strikeforce não sabe o que é vencer desde outubro de 2011, quando derrotou BJ Penn por decisão unânime dos juízes laterais.

Agfight

“Boca Quente” fala sobre Nilvan, Josival, Gutemberg e narra fato que mais lhe chamou atenção na área policial

PROGRAMA XEQUE-MATE

VÍDEO: Padre e missionários falam sobre recuperação de dependentes químicos na região de Cajazeiras

DIÁRIO ESPORTIVO

Ao lado de grandes nomes da imprensa, Diário Esportivo debate as rodadas da Série C e D do Paraibano

PARTIU PARA O ATAQUE

VÍDEO: Júnior Araújo diz que José Aldemir vai perseguir servidores que não apoiarem campanha de Paula