header top bar

section content

A ideia de crianças serem criadas “sem gênero” é exaltada pela mídia internacional

Empresários batizaram o filho com nome “neutro” de uma letra só: B

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

06/12/2017 às 08h55

A ideia de crianças criadas "sem gênero" é exaltada pela mídia

O assunto já é debatido há anos em países do hemisfério Norte, em especial da Europa. A defesa de uma linguagem neutra e inclusiva para se referir a todos na sociedade é quase epidêmica. Conforme reportou recentemente a rede CNN, há um forte movimento na Suécia para se usar nas escolas o pronome neutro “hen” para todos os alunos, independentemente do seu sexo.

Trata-se de um novo pronome, que seria um meio-termo entre “han” (ele) e “hon” (ela). Ele é utilizado para fazer referência a uma pessoa sem revelar seu gênero, seja porque é desconhecido, porque a pessoa é transgênero ou porque quem fala ou escreve considera supérfluo referir-se ao gênero.

No Canadá, um casal conseguiu que seu bebê Searyl Atli, de 8 meses, não seja identificado por gênero. Após seu pedido junto ao governo, a carteirinha de saúde da criança traz um “U” no item “sexo”. Essa seria a abreviação para “indeterminado” [undetermined, em inglês].

Agora, essa “tendência” parece que se estabelece também no Brasil.

Os empresários Roberto, 38, e Luísa Martini, 35, sócios de um grupo de agências de publicidade registraram seu filho como “B”. Só isso, a segunda letra do alfabeto é o nome do menino de 1 ano. A escolha, segundo eles, foi para que a criança “tenha o mínimo de influência e carga social possível”. O mesmo vale para o sexo, pois os pais se esforçam para não dar roupas ou brinquedos que possam influenciá-lo.

A Folha de São Paulo deu novamente destaque a esse tipo de situação, exaltando as escolhas parentais, de modo semelhante ao que ocorreu com Ariel Carneiro dos Santos, que seus pais decidiram que será criada como “agênera”, isso é, caberá a ela decidir se será menino ou menina.

Roberto, o pai de B, conta sua perspectiva de vida quando o menino nasceu “Estávamos numa tentativa de amenizar a carga do que a sociedade acabou imprimindo na gente. Não só preconceitos, mas todas as predefinições do que é certo e do que é errado, do que é branco, do que é preto. Primeiro questionar e depois entender que nenhuma verdade resiste ao tempo. Não houve discussão sobre como íamos criá-lo. Foi tudo muito natural”.

Para ele, o nome da criança serve para marcar uma posição ideológica. “Não sabemos se esse nome vai ser complementado quando B for adulto. A gente não pensa isso. É um nome que ele pode seguir o caminho que quiser seguir, pode mudar, pode complementar. A mesma coisa com gênero. Nossa concepção de gênero vai se modificar… Não queríamos limitar.”

O discurso de Luísa reforça o do esposo: “Eu acredito que o nome carrega uma carga energética. A gente queria um nome que fosse um espaço em branco, para nosso filho poder explorar sua personalidade”.

A mãe acredita que “Esses padrões culturais de comportamento foram determinados muito tempo atrás. A sociedade carrega sem questionamento. O questionamento começou uns anos atrás, o que eu acho muito bom. A humanidade sofre muito por causa desses padrões. Nossa intenção não é criar um filho sem gênero, é criar um filho sem estereótipo de gênero… Ele usa uma roupa que tanto uma menina quanto um menino poderiam usar”.

Roberto insiste que já está tudo planejado: “A gente tenta não pensar que roupa vai comprar, se é de menino ou de menina. Compra o que faz sentido, seja um vestido ou uma calça mais larga, uma camiseta maior… Quando a gente foi decorar o quarto dele, chamei um artista que é superlegal. Ele desenhou várias coisas, dentre elas um skatinho e um capacetinho. Por um segundo achei estranho, mas depois me dei conta de que skate não é coisa de menino, isso era um condicionamento antigo. Mudou”.

O pai ressalta que não teve dificuldades de registrar o filho com esse nome no cartório, onde foi lavrada a certidão, mas precisava de um sobrenome. “A gente também criou um sobrenome novo, mas ele carrega um dos nossos sobrenomes porque foi uma coisa que eles insistiram. Se fosse um nome totalmente novo seria mais interessante”, relata.

No entendimento da mãe, “Nosso trabalho é tentar minimizar uma carga que é simbólica, e que vem pesada. A gente sabe que não tem como anular a sociedade. Mas nomear é um pouco colocar uma intenção. Queríamos que ele não carregasse um caminho pré-determinado”.

E as críticas? “Não tenho medo de crítica. Meu único receio é preparar ele para o mundo”, assegura Roberto.

Pensando no futuro, Luísa já pensa na educação formal de B, desde que isso acompanhe a ideologia dos pais. “Estou procurando escolas em que eu possa conversar sobre isso, e que tenham educadores que já tenham isso na sua pauta. Já estive em alguns lugares que é super “menino aqui”‘, “menina ali”. Já estive em alguns lugares que estão querendo mudar, fazer um evento em que meninas possam se fantasiar de pirata e meninos possam se fantasiar de bruxa”, explica. “Essa geração Z, que nasceu depois de 1995, lida muito melhor com a mudança, com a ausência de definição. É uma sabedoria absurda, uma conexão com natureza e com energia. Meu olho brilha, eu quase choro quando vejo essas coisas acontecendo”, comemora.

Gospel Prime com informações Folha de SP

XEQUE-MATE

VÍDEO: Vereador de Cajazeiras e educadores esclarecem polêmicas sobre a identidade de gênero nas escolas

DIÁRIO ESPORTIVO

Tudo sobre as novas contratações e a preparação dos times para o Campeonato Paraibano 2018

PSICOLOGIA NO AR

VÍDEO: Psicólogos debatem comportamento do ‘stalker’ nas redes sociais e quando o amor se torna obsessão

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa: Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Batista Independente