header top bar

section content

Assembléia Legislativa não aceita retirada das conquistas de servidores nos PCCR’s

Os deputados acreditam que o governador José Maranhão(PMDB) deverá respeitar a decisão da Assembléia Legislativa, que aprovou todas os PCCRs encaminhados pelo seu antecessor.

Por

12/03/2009 às 23h28

O líder da oposição, Manoel Ludgério (PDT), deixou claro, nesta quinta-feira (12/03), que a bancada só aceitará rever os Planos de Cargos Carreira e Remuneração (PCCRs), aprovados pela Assembléia Legislativa nos últimos anos, “se for para ampliar ainda mais os benefícios aos servidores”.

Manoel Ludgério cobrou da bancada do governo uma posição em favor do funcionalismo público. “A Assembléia Legislativa não recuará um milímetro no propósito de garantir melhores condições de vida pra os servidores públicos do Estado da Paraíba”, garantiu.

Segundo ele, os direitos adquiridos pelos servidores, ao longo de muitos anos de luta, através de suas entidades de classe, são intocáveis e irreversíveis.

De acordo com o deputado, os propósitos de alguns setores do atual governo esbarram na responsabilidade e no compromisso da bancada oposicionista com os interesses dos servidores públicos estaduais da Paraíba. “Assumimos esse compromisso durante nosso mandato e não abriremos mãos dessas conquistas, queira ou não os atuais governantes do Estado”, disse.

O deputado acredita que o governador José Maranhão (PMDB) deverá respeitar a decisão da Assembléia Legislativa, que aprovou todas os PCCRs encaminhados pelo seu antecessor, “até porque isso significaria se opor aos direitos dos servidores”.

Fonte:Ascom

Tags:

“Boca Quente” fala sobre Nilvan, Josival, Gutemberg e narra fato que mais lhe chamou atenção na área policial

PROGRAMA XEQUE-MATE

VÍDEO: Padre e missionários falam sobre recuperação de dependentes químicos na região de Cajazeiras

DIÁRIO ESPORTIVO

Ao lado de grandes nomes da imprensa, Diário Esportivo debate as rodadas da Série C e D do Paraibano

PARTIU PARA O ATAQUE

VÍDEO: Júnior Araújo diz que José Aldemir vai perseguir servidores que não apoiarem campanha de Paula