header top bar

section content

Presidida por Maranhão, CCJ aprova fim do foro privilegiado

A PEC 10/2013 se aplica a todas as autoridades, inclusive ao presidente da República, nas infrações penais comuns.

Por Luzia de Sousa

30/11/2016 às 20h23 • atualizado em 30/11/2016 às 17h29

Zé Maranhão preside CCJ no Senado

Sob a presidência do senador José Maranhão, a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania aprovou nesta quarta-feira o fim do foro privilegiado. A PEC 10/2013 se aplica a todas as autoridades, inclusive ao presidente da República, nas infrações penais comuns. Nesta quarta-feira (30), os membros do Congresso Nacional e outras autoridades com foro privilegiado são julgados pelo Supremo Tribunal Federal e só podem ser presos após condenação definitiva.

A postura do senador José Maranhão no comando da votação desta quarta na CCJ foi elogiada no plenário. O senador Reguffe (s/Partido-DF) parabenizou a Comissão pela decisão, que descreveu como “uma luta de muitas pessoas neste País, para que tenhamos tratamento igual perante a Justiça, independente da função que se ocupa”. O senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB/ SP) elogiou a “maneira sensata, competente, democrática com que Maranhão conduz a CCJ”.

O senador Álvaro Dias (PV/PR) autor da proposta, enalteceu a CCJ e “a inteligência e a competência dos senadores nesta manifestação de vontade política de mudança real, sintonizados com a aspiração do povo brasileiro, que deseja uma nova Justiça, um novo País sem privilegiados”. Álvaro Dias ressaltou que não se justifica a existência de regras que estabelecem foro privilegiado no caso de crime comum cometido por autoridade.

O relator, senador Randolfe Rodrigues (Rede/AP), afirmou que “muitas pessoas buscam o mandato eletivo justamente para fugir das instâncias ordinárias da Justiça”. Segundo ele, o foro especial é visto pela população como “verdadeiro privilégio odioso”, utilizado para a proteção da classe política. Estima-se em 22 mil o número de autoridades que possuem algum privilégio de foro pela função que ocupam no país.

A Proposta de Emenda à Constituição mantém o foro por prerrogativa de função nos crimes cometidos em decorrência do exercício do cargo público. Portanto, deputados e senadores continuarão invioláveis, civil e penalmente, por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos.

Por se tratar de uma Proposta de Emenda Constitucional, o texto segue para votação em dois turnos no Plenário do Senado. Se aprovado, seguirá para a Câmara dos Deputados.

fim-foro-2

Da Assessoria do senador

ENTREVISTA

VÍDEO: Programa Psicologia no Ar recebe professor doutor de Cajazeiras pra falar sobre Psicologia Social

INTERVIEW

VÍDEO: Autor do filme “Memória Bendita” fala sobre os desafios de promover cultura na região de Sousa

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa: Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Fonte de Água da Vida

MARIA CALADO NA TV

Maria Calado na TV recebe diretamente do Rio Grande do Norte, Fábio Carvalho; CONFIRA!