header top bar

section content

Discípulo de Luiz Gonzaga critica Safadão: “Letras pobres e apelativas; É tudo, menos forró”

Ele critica, também, a “pobreza” musical das letras e o que chama de “apelo” das temáticas da farra, da bebida

Por

12/01/2016 às 12h19

Fãs se revoltam com cantor (Foto: Reprodução/Instagram)

Um dos ícones do ritmo difundido por Luiz Gonzaga, o paraibano Pinto do Acordeon criticou duramente a a distorção do forró e citou como exemplo o cantor cearense Wesley Safadão, o artista mais concorrido na atualidade. “Aquilo é tudo, menos forró”, disse Pinto, ontem, ao jornalista Heron Cid, no programa Frente a Frente, da TV Arapuan.

Natural de Conceição (PB), Pinto reconhece os méritos de Wesley como show-man, mas defende a distinção. “Eu ouvi gente chamando ele de rei do forró. Isso eu não assino embaixo”, cravou.

Outro nome –No auge dos seus 66 anos com 460 canções gravadas, mais de quarenta anos dedicado à música e as composições, Francisco Ferreira Lima, nome recebido na pia batismal, sugere que as bandas do gênero criem um nome para o ritmo que – na sua concepção – não tem nada de forró.

“Quando gritam lá vem a banda ‘Navio do Forró’, aí a bateria começa ‘pra escapar’, ‘pra escapar, ‘pra escapar”, brinca Pinto, usando o termo como onomatopéia do som do instrumento.

Ele critica, também, a “pobreza” musical das letras e o que chama de “apelo” das temáticas da farra, da bebida, somado à ausência de poesia, melodia e criatividade.

MaisPB

A FAVOR DA REFORMA

Empresário diz que Justiça do Trabalho só penalizava os patrões e chama a CLT de ‘excrescência jurídica’

DA REGIÃO DE CAJAZEIRAS

VÍDEO: Do assassinato do pai ao sucesso na política, prefeito conta trajetória de superação no Interview

'AULÃO SOLIDÁRIO'

VÍDEO: Ordem DeMolay de Cajazeiras promove aulão gratuito preparatório para o ENEM; veja como participar

ENTRETENIMENTO

Maria Calado na TV com os integrantes do espetáculo “Trinca mas não quebra” e o cantor Lucas Soares