header top bar

section content

Sertão da Paraíba terá representação na 14ª Conferência Nacional de Saúde

7ª Conferência Estadual de Saúde entra pela madrugada e escolhe delegados para a etapa Nacional

Por

22/10/2011 às 16h45

src=http://images.orkut.com/orkut/photos/PQAAADuTvY-7EsjTIpJ2fyOvAi3nJpJhHNNmVNnpJTB7d5whTJF3PyMIrkxHtgKrlR5LyKuD3t3C0ZQEmavxbWJX-bkAm1T1UET-l6Hcv45-M-hAqRLOnsFlCipM.jpg

Alguns dos delegados que representaram a Regional de Saúde de Cajazeiras com o Diretor Nacional de Auditoria do SUS, Adalberto Fulgêncio

Delegados da região sertaneja foram escolhidos para representar a Paraíba na Conferência Nacional de Saúde. As escolhas ocorreram dentro da 7ª Conferência Estadual de Saúde da Paraíba, promovido no Espaço Cultural, em João Pessoa. Evento durou três dias e só terminou por volta das 2h desta sexta (21).

Foram eleitos os 72 delegados (36 representantes de usuários; 18 trabalhadores e 18 gestores do SUS), que vão representar a Paraíba na Conferência Nacional, no período de 30 de novembro a 4 de dezembro deste ano.

O evento contou com a participação de 900 pessoas, entre usuários, trabalhadores e gestores do SUS nos 223 municípios paraibanos, além de representantes do Ministério da Saúde, Governo do Estado e Ministério Público, a exemplo do Diretor Nacional de Auditoria do SUS, Adalberto Fulgêncio dos Santos Júnior, além da chefe da Controladoria Geral do Estado, Luzemar Martins, a Secretária de Saúde de João Pessoa e presidenta do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde-COSEMS, Roseana Meira, dentre outros.

Com o Tema: "Todos usam o SUS! SUS na seguridade Social. Política Pública. Patrimônio do Povo Brasileiro", o evento buscou construir condições de acesso, acolhimento humanizado e a qualidade da atenção integral à saúde.

Muitas propostas foram abordadas e aprovadas para serem discutidas em Âmbito Nacional, com ênfase na contrariedade absoluta, demonstrada pela maioria dos participantes, no que diz respeito a qualquer forma de privatização nas instituições públicas de saúde do Estado da Paraíba.

A plenária final do evento aprovou 63 propostas que serão consolidadas em 35 a serem levadas para a etapa nacional em Brasília. Esse trabalho de consolidação será feito pelos delegados eleitos em parceria com a comissão da relatoria.

Momento Cultural

Em meio às discussões acaloradas, os participantes da 7ª Conferência da Saúde deram uma pausa para a cultura. Na tarde da quinta-feira (20), o médico imunologista, ator e diretor de teatro, Vítor Pordeus, apresentou a palestra "Saúde, Arte e Prevenção”. Aos 31 anos, o jovem médico carioca, neto de paraibanos da cidade de Sousa, tem um currículo invejável, com especializações, mestrados, doutorados, descobertas científicas e estudos fora do país, mas ele faz questão de dizer que não tem vaidade com nada disso, porque não foi aí onde se encontrou como ser humano, mas nos trabalhos de arte que desenvolve levando saúde para as ruas, através da alegria, da descontração e do improviso.

Com a ajuda das atrizes Clara Soria e Gabriela Haviaras, Vítor Pordeus fez, no Teatro Paulo Pontes, uma demonstração do trabalho que desenvolve no Rio de Janeiro, onde trabalha no Núcleo de Cultura, Ciências e Saúde, da Secretaria de Saúde do Município. "A idéia é de uma ação improvisada que estimula a participação, a criatividade, a surpresa e a imprevisibilidade, para que as pessoas se liberem e se libertem. E, no final, tudo leva ao exercício criativo que é um mecanismo gerador de saúde”, disse Vítor que ainda parafraseou Paulo Freire: "Criar e recriar o mundo a nossa volta”.

O resultado do trabalho que desenvolve no Rio com moradores de rua, com pessoas em situação de risco, com sofrimento psíquico, deixando que cada um seja ator se expressando da melhor forma que lhe convenha, é comprovado na prática com a instalação de 14 escolas populares de saúde, no Rio de Janeiro, e mais de 600 pessoas envolvidas nesse trabalho no país, culminando com a criação de uma Universidade Popular de Artes e Ciências.

À tarde, Vítor Pordeus foi convidado a dar uma oficina no Centro Formador de Recursos Humanos (Cefor), da Secretaria de Estado da Saúde, para enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais, professores e agentes comunitários de saúde que trabalham em dois projetos desenvolvidos na capital.

Um desses projetos é o "Consultório de Rua”, do Ministério da Saúde, vinculado com a Prefeitura Municipal, onde os profissionais, chamados de "redutores de danos”, abordam moradores de rua e pessoas em vulnerabilidade social e oferecem atendimento na hora, além de encaminhá-los para os serviços de saúde ou para abrigos, e agilizam para que tirem seus documentos e outros serviços que vão surgindo de acordo com as demandas.

Para Fernanda Nunes, uma de muitos observadores presentes, "o que fez a 7ª Conferência Estadual de Saúde valer ainda mais a pena foi a palestra Saúde, arte e prevenção, ministrada pelo médico pediatra, Vitor Pordeus, da cidade do Rio de Janeiro, pena que nesse momento a plenária estava quase que vazia, isso mostra a importância que damos a arte e a cultura como formas de promoção de saúde e prevenção de doenças, principalmente mental, aí depois reclamam que os CAPS não estão funcionando como deveriam, se eles mesmo não se interessam. Esse médico do RJ é muito bom, ele disse que sua profissão era animador de feiras de saúde e que seu consultório é a praça pública (mesmo tendo doutorado) isso me chamou muito a atenção, já que tantas pessoas começam suas falas dizendo: sou médica lá não sei das quantas como se isso fosse lhe garantir credibilidade".

O enfermeiro e músico Tiago Sotero, que trabalha no projeto, ficou encantado com a oficina. "Em trabalhos como este, onde a saúde é tratada de uma forma mais leve, e, portanto, com muito respeito, há uma sensação de gratidão, onde ajudamos o próximo, enxergando o ser humano como ele é e respeitando a liberdade de escolha de cada um”, disse.

Já Soraya Fidelis é auxiliar de saúde bucal e trabalha na Unidade de Saúde da Família José Américo I. Ela faz parte de uma ação, junto de uma equipe multiprofissional, da Secretaria Municipal de Saúde da capital, onde a proposta é levar prevenção e saúde através do teatro de rua, trabalhando temas como o racismo, a violência contra a mulher, o alcoolismo, a homofobia e outros. Ela também gostou da oficina: "Foi uma tarde bastante proveitosa onde vi muita coisa que pode ser colocada em prática no nosso trabalho diário, humanizando e fortalecendo, cada vez mais, o SUS”, falou.

Para Márcia Rique, diretora do Cefor, e coordenadora executiva da Conferência, a atividade foi muito importante para agrupar os diversos trabalhos de arte e cultura que existem nas USF e em outros serviços de saúde de João Pessoa. "Com isso, fortalecemos essa ferramenta potente em produzir prevenção, a partir do estímulo da felicidade das pessoas. É uma semente plantada para, quem sabe, criarmos o Núcleo de Ciências, Arte, Cultura, Educação e Saúde no nosso Estado”, concluiu. 

Participação

O portal Diário do Sertão esteve presente no local participando como uns dos delegados na pessoa da redatora Josirleide Oliveira, que, na oportunidade, ficou na suplência para participação da 14ª Conferência Nacional de Saúde, onde a Paraíba será representada por 72 delegados de diversos municípios das regionais de saúde do Estado.

DIÁRIO DO SERTÃO com Ascom

EFEITO IMEDIATO

VÍDEO: Após protesto nas ruas, chefe da PM anuncia ações para combater o crime em São João do Rio do Peixe

AMIGO DE BRÁULIO BESSA

VÍDEO: Poeta que esteve no Encontro com Fátima Bernardes foi o convidado do Xeque-Mate da semana; VEJA!

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa: Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Pentecostal de Jerusalém

DIÁRIO ESPORTIVO

DIÁRIO ESPORTIVO: Tudo que rolou no Campeonato Brasileiro e os preparativos para o Paraibano