header top bar

section content

Coordenadora do CRAM de Cajazeiras fala sobre a ‘cultura do estupro’ no Brasil – Vídeo

O CRAM atua acolhendo mulheres que são vítimas de violência e tentando conscientizar as pessoas contra a 'cultura da violência sexista e do estupro'

Por Jocivan Pinheiro

31/05/2016 às 16h03 • atualizado em 31/05/2016 às 16h50

O Centro de Referência em Atendimento à Mulher (CRAM) da cidade de Cajazeiras é um dos órgãos de defesa da mulher que luta contra a chamada ‘cultura do estupro’, termo que ficou mais conhecido no Brasil após o estupro de uma adolescente de 16 anos por mais de 30 homens no Rio de Janeiro na semana passada e que chocou o país.

Em Cajazeiras, o CRAM atua acolhendo mulheres que são vítimas de todo tipo de violência e tentando conscientizar as pessoas contra a ‘cultura da violência sexista e do estupro’.

A coordenadora Leide Gomes ressalta a importância de haver CRAM’s espalhados pelo Brasil porque, segundo ela, o machismo ainda impera em alguns órgãos que atendem a mulheres vítimas de violência, mas isso não acontece nos CRAM’s. Ela ressaltou e comemorou o fato de o delegado ter sido afastado do caso do estupro coletivo no Rio porque estava culpando a vítima.

“Muitas vezes a mulher em situação de violência, a gente percebe em delegacias e outros órgãos de atendimento à mulher que é necessário urgentemente uma capacitação desses agentes públicos para não ter esse tipo de revitimização”, disse. “Há um silêncio, uma negação, aquele temor de não acreditar nas instituições. A própria vítima do Rio disse que não acredita na Justiça”, completou.

Para Leide Gomes, é preciso capacitar esses agentes públicos que atendem mulheres vítimas de violência para que elas sejam acolhidas e não sofram ‘revitimização’.

A coordenadora considera Cajazeiras uma cidade de vanguarda no que diz respeito a discussão de gênero porque aprovou na Câmara e sancionou na Prefeitura, neste ano, o Plano Municipal de Educação (PME) que prevê a capacitação dos professores para discutir gênero e sexismo nas escolas. Ela também elogiou o movimento feminista da cidade.

“A gente tem um movimento de mulheres muito forte e precisa tornar essas instituições cada vez mais com credibilidade, com segurança, com acolhimento”, disse ela.

DIÁRIO DO SERTÃO

DIÁRIO ESPORTIVO

Diário Esportivo recebe os membros da Associação dos ciclistas de Cajazeiras e região; Confira!

ADVERSÁRIOS ETERNOS

Breckenfeld diz que nunca será candidato a prefeito de São João nem aliado de Zé Aldemir: “Chance zero”

PSICOLOGIA & FILOSOFIA

Cajazeirense que vendia poesia pra pagar curso em SP fala sobre sonhos e objetivos no “Psicologia no Ar”

CÓDIGO COMPROVA

No 1º Xeque-Mate de 2018, tecnólogo diz que é fácil fraudar eleições com urna eletrônica e explica como