header top bar

section content

Homem inventa sequestro para não ser descoberto traindo esposa

Ele confessou à corporação que passou a noite bebendo com amigos e com outra mulher.

Por Luzia de Sousa

18/06/2016 às 19h18 • atualizado em 18/06/2016 às 21h08

Ele confessou a PM

Para “salvar o casamento”, um vendedor de 39 anos disse para a Polícia Civil que foi abordado, rendido e sequestrado por três desconhecidos na última sexta-feira (10) em um cruzamento próximo a um posto de gasolina do Setor Industrial de Taguatinga, em Brasília. Ele confessou à corporação que passou a noite bebendo com amigos e com outra mulher. O UOL não conseguiu contato com ele nem com a mulher.

Segundo o delegado-chefe da 24ª DP, Ricardo Viana, o homem chegou à delegacia no sábado, às 12h30, com sinais de embriaguez e acompanhado da mulher e de familiares. Emocionado, disse que os “criminosos” fizeram compras com seu cartão de crédito e até o obrigaram a comer terra.
“Ele chorava muito, estava visivelmente embriagado e fugia das nossas perguntas. Já desconfiamos aí, né?”, disse o delegado ao UOL. “Também afirmou que os bandidos roubaram seu carro, sempre sendo acalentado pelos familiares.”

No mesmo dia, por volta das 15h, o vendedor retornou à DP afirmando que tinha encontrado o veículo no Incra 9, em Brazlândia, com mais três amigos e o cunhado. “Achamos muito estranho ele ter encontrado o veículo de onde teria sido libertado, sabe? E sem a ajuda da Polícia Civil. Ele também disse que teria sido forçado a beber, um fato incomum nesses casos.”

De acordo com a Polícia Civil, a mentira foi descoberta nesta segunda-feira (13). O vendedor foi chamado novamente à delegacia e não conseguiu descrever os sequestradores com precisão. Confrontado, assumiu a farsa e disse que inventou o crime para “salvar o casamento”.

“O homem disse que estava em uma farra com uma mulher chamada ‘Sol’ e amigos, até as 10h de sábado, e inventou a história para evitar o fim de seu casamento”, conta o delegado, que disse ter sido a primeira vez que registrou um caso assim. O vendedor assinou um termo circunstanciado e vai responder em liberdade por falsa comunicação de crime ou contravenção.

“Não é incomum que as pessoas mintam para a Polícia Civil para tentarem se livrar de problemas pessoais. No entanto, nunca tínhamos visto uma mentira desse porte”, explica. Se condenado, o homem pode pegar de um a seis meses de prisão. A pena pode ser convertida em cestas básicas ou serviços comunitários.

Fonte: UOL

ENTREVISTA

VÍDEO: Programa Psicologia no Ar recebe professor doutor de Cajazeiras pra falar sobre Psicologia Social

INTERVIEW

VÍDEO: Autor do filme “Memória Bendita” fala sobre os desafios de promover cultura na região de Sousa

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa: Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Fonte de Água da Vida

MARIA CALADO NA TV

Maria Calado na TV recebe diretamente do Rio Grande do Norte, Fábio Carvalho; CONFIRA!