header top bar

section content

Casa onde mãe e filho foram assassinados começa a ser demolida na zona rural de Cajazeiras – VÍDEO!

O telhado já foi retirado e nos próximos dias as paredes devem ser derrubadas. Ainda não se sabe o que será feito do terreno

Por Jocivan Pinheiro

14/07/2016 às 18h00 • atualizado em 15/07/2016 às 15h53

A casa onde aconteceu o bárbaro crime que chocou Cajazeiras e ficou conhecido como ‘Crime do Papa Mel’ começou a ser demolida nesta semana pelo seu proprietário. A reportagem da TV Diário do Sertão esteve no local e mostrou como está o imóvel onde morava dona Maria Berenice de Sá e seus três filhos.

Telhado da casa já foi retirado

Telhado da casa já foi retirado

A residência fica no sítio Papa Mel, zona rural de Cajazeiras. O telhado já foi retirado e nos próximos dias as paredes deverão ser derrubadas. Ainda não se sabe o que será feito do terreno. Na casa foram mortos mãe e filho no dia 19 de setembro de 2015, e até hoje o crime não foi elucidado pela polícia.

Maria Berenice de Sá, 54 anos, e seu filho Rafael da Silva de Sá, 22 anos, foram encontrados mortos dentro do quarto da residência por outro filho da dona de casa. Segundo ele, os corpos estavam em cima da cama cobertos por lençóis. De acordo com a perícia, eles foram asfixiados.

Os indícios apontam para crime de latrocínio No entanto, quase dez meses depois, a polícia ainda não conseguiu localizar o principal suspeito, nem a moto que foi roubada.

VEJA TAMBÉM:

» Filho e irmão das vítimas insinua que a polícia não está se dedicando ao ‘Crime do Papa Mel’

» Casa onde mãe e filho foram mortos é incendiada na zona rural de Cajazeiras

O filho e irmão das vítimas revela que a família tem suspeitos e que já passou as informações ao delegado do Grupo Tático Especial (GTE) da Polícia Civil, Braz Morroni, que está à frente das investigações. “Para a família, em caso de sigilo, a gente pode ser que tenha suspeitas. A gente tem suspeitas”, disse o jovem.

Ele conta que após o crime, a casa ficou abandonada e aberta. “A casa ficou lá. A gente era muito pobre e tirou o necessário e ficou só o que não servia mais. A casa ficou abandonada. Podia chegar lá e entrar que estava aberta.”

.

DIÁRIO DO SERTÃO

PARA A ETERNIDADE

VÍDEO: Programação de 70 anos do Atlético começa com exposição histórica que promete encantar Cajazeiras

ALFINETOU

VÍDEO: Aliado do prefeito destaca asfaltamento de ruas de Cajazeiras e alfineta grupo de Carlos Antonio

REVELAÇÃO

VÍDEO: Emocionado, radialista fala de dificuldades na infância e revela que ‘amigo’ lhe ofereceu drogas

VEJA

VÍDEO: Gilvan de Andrade fala de experiência no Rádio em Cajazeiras e João Pessoa