header top bar

section content

Universitária atingida por bomba da PM durante ato contra Temer perde a visão

A estudante universitária Deborah Fabri passou a noite no hospital e já retornou para a casa.

Por Luzia de Sousa

01/09/2016 às 21h37 • atualizado em 01/09/2016 às 16h41

Manifestantes amparam Deborah após seu olho ser atingido por estilhaços de bomba de efeito moral da PM

Um estilhaço de uma bomba de efeito moral disparada ontem (31/08) pela Polícia Militar de São Paulo, durante forte repressão contra um ato que pedia a saída do presidente Michel Temer, atingiu o olho esquerdo de uma manifestante, que perdeu a visão. A estudante universitária Deborah Fabri passou a noite no hospital e já retornou para a casa.

“Oi pessoal estou saindo do hospital agora. Sofri uma lesão e perdi a visão do olho esquerdo, mas estou bem”, publicou em seu perfil no Facebook. A jovem participa do Levante Popular da Juventude.
Segundo o movimento, Deborah estava no cruzamento das ruas Caio Prado e Consolação, na região central da cidade, quando policiais militares lançaram duas bombas de efeito moral em sua direção – uma caiu um pouco à frente e outra atrás da jovem. Um estilhaço atingiu seus óculos e quebrou a lente, que perfurou seu globo ocular. Ela foi socorrida por pessoas próximas do local e levada para o Hospital das Clínicas.

“Estamos vendo judicialmente como vamos intervir. Queremos um processo contra o Estado de São Paulo e a Polícia Militar, que são os responsáveis por esse dano causado a nossa companheira”, disse uma das integrantes do movimento, Bárbara Ponte. “Ontem o estilhaço atingiu uma companheira nossa, mas poderia ter sido qualquer manifestante. Nossa resposta será com luta.”

Em nota divulgada na noite de ontem, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) alegou que a repressão começou depois que um grupo de manifestantes incendiou montes de lixo e lançou pedras contra os policiais. Segundo o comunicado, um policial foi ferido e levado para receber atendimento médico. A SSP disse à Agência Brasil que não tem informações sobre a jovem atingida no olho.

Os manifestantes começaram a se concentrar na Avenida Paulista, no vão livre do Masp (Museu de Arte de São Paulo) no início da noite. A passeata seguiu pela Rua da Consolação até que, na altura do cruzamento com a Rua Maria Antonia, a Polícia Militar começou a disparar bombas de gás contra os participantes do ato. A repressão continuou durante a noite, contra manifestantes que se espalharam pelo centro da cidade.

Os fotógrafos Willian Oliveira e Vinicius Gomes foram detidos pela polícia. Vinícius Gomes afirmou que seu equipamento de trabalho foi destruído durante a abordagem policial. Ambos permaneceram detidos até por volta das 5h de hoje. A SSP não informou o motivo das prisões nem se pronunciou sobre o caso.

Publicado originalmente no site da Rede Brasil Atual e UOL

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em continência ao Senhor Jesus recebe o pastor Ismar e a cantora Rafaela Amaro; CONFIRA!

INTERVIEW

Cantor de São João do Rio do Peixe fala sobre sua trajetória de sucesso e recorde de público nos shows

RESPOSTA

VÍDEO: Energisa esclarece quedas de energia que aconteceram em Sousa e garante agilidade na manutenção

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em continência ao Senhor Jesus recebe os membros da Assembléia de Deus Canaã e Luciana Batista