header top bar

section content

Polícia Rodoviária Federal flagra condutor de bitrem dirigindo embriagado na BR 230

A multa para embriaguez ao volante é gravíssima, somam 7 pontos na carteira de habilitação e suspensão do direito de dirigir por 12 (doze) meses.

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

15/11/2016 às 15h32

O condutor terá 7 pontos na carteira de habilitação e suspensão do direito de dirigir por 12 meses (Foto: PRF)

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) flagrou na manhã desta terça-feira (15), um motorista conduzindo embriagado um veículo do tipo bitrem. O fato ocorreu na unidade operacional de São Mamede, 280 km da capital paraibana.

Eram 5 horas da manhã quando os agentes da PRF da unidade de São Mamede iniciavam um comando de fiscalização. O primeiro veículo abordado foi uma combinação conhecida como bitrem. O autocarga seguia de Campina Grande-PB com destino à Santa Catarina e estava carregado com 48 toneladas de minério de ferro.

Os agentes solicitaram ao motorista de 30 anos que realizasse o teste de etilômetro que deu positivo apresentando resultado de 0,11 mg/L. O homem apresentava aparência cansada, olhos vermelhos e confessou ter bebido.

A multa para embriaguez ao volante é gravíssima, somam 7 pontos na carteira de habilitação  e suspensão do direito de dirigir por 12  meses.  Com a minirreforma estabelecida desde o dia primeiro de novembro, o valor para essa infração passou a custar R$ 2.934,70 e aplica-se o valor em dobro, caso o condutor seja reincidente.

DIÁRIO DO SERTÃO com Assessoria da PRF/PB

"TRAÍRA"

EXCLUSIVO: Rosilene rompe o silêncio, se solidariza com portais, diz estar arrependida em apoiar Amadeu na FPF e pede desculpas aos clubes

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Em Continência ao Senhor Jesus recebe os adoradores por excelência da Igreja Luz da Vida; Veja!

MARIA CALADO NA TV

Maria Calado na Tv recebe Guilherme Costa e Pisada do Chefe de Joca Claudino – PB; Confira!

EX-REITOR DA UFCG

VÍDEO: Thompson Mariz quer Ricardo no Senado e confirma João Azevedo para governador: “Não tem plano B”