Policial
25/11/2016 às 09h38 • atualizado em 25/11/2016 às 13h37

postado por: Luzia de Sousa

Procurador vai recorrer ao TJ da decisão que sequestra as contas da prefeitura de CZ

“A prefeita dizia ser ‘Mainha’, mãe cuida dos seus filhos, mostre agora que a senhora é ‘Mainha’”. Ironizou a sindicalista. VEJA!

Rogério Oliveira, Procurador Geral do Município

O Procurador Geral, Rogério Oliveira em entrevista nessa quinta-feira (24) a Rádio Diário do Sertão FM disse que o município de Cajazeiras vai recorrer da decisão da juíza da 4ª Vara da Comarca local, Silse Maria, que determinou o sequestro das cotas do Fundo de Participação dos Municípios, para pagar os servidores atrasados da gestão de 2008.

+ IXE: Justiça manda sequestrar recursos da prefeitura de Cajazeiras para pagar salários

A decisão da magistrada foi dessa quinta-feira, que determinou ainda, que os valores sequestrados sejam depositados em conta judicial até que chegue a quantia de 1 milhão 973 mil 349 reais e 50 centavos, que é o valor necessário ao pagamento dos servidores do mês de novembro.

Uma ação semelhante deve ser apreciada nos próximos dias, referente ao mês de dezembro que também não foi pago, foi o que informou o advogado do Sindicato dos Funcionários Públicos Municipais de Cajazeiras, João de Deus Quirino Filho.

Para o procurador há falha no processo, pois o contador não teria assinado os cálculos referente a Requisição de Pequeno Valor, conhecida como RPV. Rogério Oliveira informou que já iniciou a defesa do município e no mais tardar segunda-feira (28) dará entrada no Tribunal de Justiça na tentativa de suspender a decisão local.

“A principal inobservância é que os cálculos do RPV não foram individualizados e não tinha assinatura do responsável, o contador. Essa é a principal nulidade do processo”, observou o advogado

Presidente do sindicato, Elinete Lourenço

Presidente do sindicato, Elinete Lourenço

O outro lado
A presidente do SINFUMC, Elinete Lourenço contestou nesta sexta-feira (25), as explicações do município e desafiou: “A prefeita dizia ser ‘Mainha’, mãe cuida dos seus filhos, mostre agora que a senhora é ‘Mainha’”.

Elinete relembrou a luta desde 2008 para conseguir garantir o direto do funcionário. Ela explicou que o procurador esteve no sindicato para tentar fazer um acordo, porém, seria consignado um pagamento de R$ 50 mil em novembro e R$ 50 mil em dezembro, entretanto a maior quantia seria paga pela nova gestão, pois o débito é de quase R$ 2 milhões somente do mês de novembro. O suposto acordo não rejeitado pelo sindicato.

Entenda
“Mainha” foi o slogan da campanha da prefeita Denise Albuquerque (PSB).

DIÁRIO DO SERTÃO

Deixe seu comentário