Policial
29/11/2016 às 18h30 • atualizado em 02/12/2016 às 16h37

postado por: Luzia de Sousa

Vídeo: Vereadores denunciam carro quebrado há meses e lamentam que cajazeirenses ‘apodreçam’ a espera do IML; Delegado diz que ‘responsabilidade’ é da família e revela ‘resistência’ de médicos para atestar óbito

Um vereador aproveitou para denunciar uma invasão ao terreno que foi disponibilizado para a construção do IML em Cajazeiras.

Uma polêmica foi gerada em Cajazeiras após o corpo de Lúcia de Fátima Fernandes ter demorado a ser encaminhado ao IML da cidade de Patos para necropsia. A mulher foi encontrada morta na manhã dessa segunda-feira (28) e o corpo teria ficado no local até o final da tarde.

+ Triste: Jovem de 18 anos é uma das vítimas encontradas mortas no centro de Cajazeiras

Neguim do Mondrian lamenta demora no encaminhamento dos corpos ao IML

Neguim do Mondrian lamenta demora no encaminhamento dos corpos ao IML

O assunto foi discutido na Câmara Municipal de Cajazeiras em sessão ordinária na noite dessa segunda. O vereador Alysson Lira (Neguim do Modrian – PSD) lamentou o fato e tachou de “imoralidade” o caso.
Ele aproveitou para denunciar uma invasão ao terreno que foi disponibilizado para a construção do IML em Cajazeiras.

Ivanildo Dunga denuncia quebra do carro rabecão

Ivanildo Dunga denuncia quebra do carro rabecão

Já o vereador Ivanildo Dunga (PMN) relembrou que o governador mandou para Cajazeiras uma equipe de peritos, na tentativa de reduzir o tempo de espera no encaminhamento para necropsia, que atualmente acontece em Patos.

Ele disse que esses casos de demora para o encaminhamento dos corpos ao IML ocorrem devido a quebra constante do transporte que faz esse translado, mais conhecido por “Rabecão”.
“O rabecão de Cajazeiras ajeita em um mês, quebra com 15 dias, e fica dois, três meses para consertar”, denunciou o vereador.

Delegado da seccional explica caso de demora em Cajazeiras

Delegado da seccional explica caso de demora em Cajazeiras

Autoridade
O delegado da seccional da Polícia Civil de Cajazeiras, George Wellington reconheceu que o rabecão está no conserto acerca de dois meses na cidade de Patos, adiantando que apenas o carro de Itaporanga, no Sertão está disponível para toda a região.

Nessa data foram encontrados dois corpos em Cajazeiras, um da mulher, que segundo o delegado havia diagnóstico de morte natural, e outro do jovem Marcos Bruno Vieira, que foi liberado para sepultamento pela polícia.

George explicou que em morte natural, que teria sido o caso de Lúcia Fernandes, o IML não recebe, o que ficaria a cargo da família providenciar o “destino do corpo”. Ele explicou que a demora se deu porque a família estava buscando um médico para atestar o óbito, pois havia um quadro de cardiopatia.

“O corpo só foi retirado do prédio no final da tarde e a imprensa entendeu que houve deficiência por parte da Polícia, mas a família que tinha responsabilidade com o corpo”, declarou o delegado, acrescentado que a família tinha que procurar um profissional médico para atestar o óbito.

Ele esclareceu também que a polícia pode solicitar do Samu ou do próprio hospital, um médico para atestar a causa morte, e no caso de Lúcia Fernandes foi solicitado, mas os profissionais da “medicina de Cajazeiras estavam resistentes a atestar o óbito devido ao tempo e o corpo já se encontrava em estado pultrefativo”.

Depoimento
O empresário Willame Braga, proprietário do prédio onde Lúcia Fernandes morava escreveu na rede social Facebook, que as pessoas estavam em estado de desespero no edifício com o ‘odor’ do local. “A família é quem sofre com essa imoralidade”, escreveu ele.

Veja!

DIÁRIO DO SERTÃO

Deixe seu comentário