header top bar

section content

Ministério Público processa servidores públicos do Sertão por enriquecimento ilícito; Um foi preso 14 vezes

Servidor faltava ao trabalho e tinha faltas acobertadas, diz promotoria. Um dos acusados foi presos 14 vezes por crime ambiental.

Por Luzia de Sousa

06/03/2017 às 15h54 • atualizado em 06/03/2017 às 16h11

Ministério Público da Paraíba (Foto ilustrativa do Google)

Dois servidores públicos da Paraíba foram processados pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB) por improbidade administrativa, suspeitos de enriquecimento ilícito e violação aos princípios do Direito Administrativo. Segundo informações divulgadas nesta segunda-feira (6) pelo Ministério Público, um dos servidores ligado à Empresa Estadual de Pesquisa Agropecuária da Paraíba (Emepa) teria feito um acordo para que o outro servidor envolvido, chefe dele no período em que estava ligado à Empresa Paraibana de Abastecimento e Serviços Agrícolas (Empasa), para que faltas ao trabalho fossem acobertadas.

+ Andaime: MPF denuncia três ex-prefeitos de CZ, empresários, ex-secretária, engenheiros e servidores públicos; Político é apontado por praticar o mesmo crime 13 vezes. Veja nomes!

Ainda de acordo com a promotoria de justiça de Defesa do Patrimônio Público de Patos, no Sertão paraibano, um dos servidores foi preso 14 vezes por crime ambiental e possui uma dívida de R$ 9 milhões em multas por tráfico de animais silvestres. A Ação Civil Pública movida pela promotoria pede que os dois envolvidos sejam punidos conforme a Lei de Improbidade Administrativa, que prevê a perda do cargo público.

De acordo com a promotoria, em três das prisões do suspeito de tráfico de animais, ocorridas no Paraná e na divisa entre os estados de Pernambuco e Bahia, ele não teria como ter comparecido ao trabalho em Patos. No entanto, para fins empregatícios junto à Empasa, ele não apresentou faltas no seu histórico de frequência, graças ao acordo com o outro servidor.

“Tal fato demonstra a prática de enriquecimento ilícito, com prejuízos à Emepa, pois ele se ausentou do trabalho para prática de ato criminoso, mas foi normalmente remunerado pelo estado da Paraíba”, explicou o promotor de justiça Alberto Vinícius Cartaxo da Cunha.

DIÁRIO DO SERTÃO com G1

AO VIVO

Assista a programa da TV Diário do Sertão – AO VIVO

MENSAGEM DE ESPERANÇA

Programa Mensagem de Esperança com Sara Sheyla e Nelson Dantas

A FAVOR DA REFORMA

Empresário diz que Justiça do Trabalho só penalizava os patrões e chama a CLT de ‘excrescência jurídica’

DA REGIÃO DE CAJAZEIRAS

VÍDEO: Do assassinato do pai ao sucesso na política, prefeito conta trajetória de superação no Interview