header top bar

section content

Jogador da seleção de futebol do Panamá é morto a tiros enquanto jogava dominó

Nas redes sociais de Henríquez, fãs escreveram homenagens e desejaram ao volante que descansasse em paz.

Por Priscila Belmont

16/04/2017 às 11h47

Amílcar Henriquez Foto: Reprodução/Instagram

Um dos atletas da seleção de futebol do Panamá de futebol foi morto a tiros na noite deste sábado enquanto jogava dominó com amigos. Amílcar Henríquez, de 33 anos, morreu na cidade de Nuevo Colón, depois que um homem estacionou o carro próximo ao grupo e abriu fogo. A polícia local deteve quatro suspeitos de participação no crime. Ainda não há informações sobre a motivação do crime.

O volante da seleção panamenha chegou a ser socorrido em um hospital da região, mas não resistiu aos ferimentos. Dois amigos deles, feridos no ataque, não correm risco. Amílcar Henríquez jogava pelo Árabe Unido, no Panamá, e atuava pelo time nacional desde 2004. Neste período, listou 82 jogos oficiais com o uniforme nacional.

Ele enfrentou a Seleção brasileira em dois amistosos: antes da Copa do Mundo de 2014, em Goiânia, e antes da Copa América Centenário, nos Estados Unidos.

O presidente do Panamá, Juan Carlos Varela, condenou o assassinato pelo Twitter e prometeu mobilizar as forças de segurança para identificar os responsáveis.

A confederação nacional de futebol também lamentou a perda. “Deus te receba, Mickey”, registrou a FEPAFUT no Twitter, em alusão ao apelido do jogador.

Nas redes sociais de Henríquez, fãs escreveram homenagens e desejaram ao volante que descansasse em paz.

Extra

“Boca Quente” fala sobre Nilvan, Josival, Gutemberg e narra fato que mais lhe chamou atenção na área policial

PROGRAMA XEQUE-MATE

VÍDEO: Padre e missionários falam sobre recuperação de dependentes químicos na região de Cajazeiras

DIÁRIO ESPORTIVO

Ao lado de grandes nomes da imprensa, Diário Esportivo debate as rodadas da Série C e D do Paraibano

PARTIU PARA O ATAQUE

VÍDEO: Júnior Araújo diz que José Aldemir vai perseguir servidores que não apoiarem campanha de Paula