header top bar

section content

Ex-marido da jornalista da Record Fabíola Gadelha, a rabo de arraia, é preso por tráfico de drogas

Grupo formado por quatro pessoas, sendo dois militares da Marinha, foi detido em flagrante

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

07/05/2017 às 11h36

Fabíola Gadelha e o ex-marido (Foto: Reprodução/R7)

Uma quadrilha formada por quatro pessoas, incluindo dois militares da Marinha do Brasil, foi presa com aproximadamente 50 kg de skunk em um condomínio de luxo de Manaus (AM) na última sexta-feira (5).

De acordo com a Polícia Militar do Amazonas, agentes da Rocam (Rondas Ostensivas Cândido Mariano) detiveram quatro pessoas após receberem denúncia anônima de que dois deles estavam em um veículo Corolla, cor prata, placa PIK 3919, parado em um posto de combustível na avenida Tancredo Neves, Parque Dez.

Conforme a denúncia, dois suspeitos aguardavam dois militares das Forças Armadas para entregar drogas.

Os policiais militares encontraram, na abordagem, 5 kg de erva, que aparentava ser skunk. Com isso, foi dada voz de prisão aos infratores.

Após ser questionada, a dupla informou que havia mais drogas em uma casa no condomínio Laranjeiras, local onde os militares da Marinha foram presos.

Na residência, de acordo com a PM, havia cerca de 45 kg de drogas e a quantia de R$ 4.000. Os suspeitos foram apresentados no 16º DIP (Distrito Integrado de Polícia).

Entre os presos está Pedro Paulo Militão da Silva, conhecido pelo apelido de Paulinho Paraibano, que é ex-marido da apresentadora Fabíola Gadelha. O casal se separou em 2016, após sete anos juntos.

R7

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan

DIÁRIO ESPORTIVO

Diário Esportivo recebe os organizadores do 1º Eco pedal e o garoto prodígio do futebol Luiz Felipe

MENSAGEM DE ESPERANÇA

Programa Mensagem de Esperança com Maria Vitória e Rodrigo Almeida 11.08.2017

INTERVIEW

Educadora fala da infância difícil e sua trajetória de sucesso: ‘Faltava dinheiro, mas não alegria’