header top bar

section content

Onda de roubos: Em resposta a críticas, juíza de Cajazeiras divulga balanço exclusivo e rebate: “Não é a Justiça quem solta” – VÍDEO!

Para mostrar que o Judiciário não é um obstáculo para as polícias, magistrada divulgou números relacionados às demandas judiciais das duas Varas Criminais

Por Jocivan Pinheiro

14/06/2017 às 16h56 • atualizado em 14/06/2017 às 17h04

Em resposta às críticas feitas por alguns profissionais da imprensa a respeito do trabalho do Poder Judiciário no combate à criminalidade em Cajazeiras, a juíza da 1ª e 2ª Varas Criminais da Comarca local, Adriana Lins, divulgou um balanço exclusivo à TV Diário do Sertão das ações da Justiça.

Para mostrar que o Judiciário não é um obstáculo para as ações das polícias e está contribuindo com o enfrentamento à onda de crimes na região, a magistrada tornou públicos alguns números relacionados às demandas judiciais das duas Varas pelas quais ela responde.

Segundo Adriana Lins, atualmente a 1ª e 2ª Varas Criminais estão com uma demanda de 5 mil processos em curso (2.100 na 1ª, 2.400 na 2ª). De janeiro até agora, a 1ª Vara realizou 32 audiências de custódia, das quais foram decretadas 22 prisões. Já a 2ª Vara realizou 48 audiências com 33 prisões, uma média de 70% de prisões decretadas.

A juíza revelou que essas prisões são, em sua maioria, por crime de roubo, e que a Justiça não solta os presos, ao contrário do que é divulgado por alguns profissionais da imprensa. “Nós não temos concedido liberdade a nenhum desses autores de roubos, porque assim a Legislação permite. É um tipo penal que permite o decreto de prisão preventiva e assim nós temos feito. Nenhum autor de crime de roubo que tem sido preso e conduzido à Justiça tem concedida a liberdade.”

Os demais 30% de prisões, de acordo com a magistrada, correspondem a crimes de trânsito e violência doméstica que não é grave e que a vítima solicita apenas uma medida protetiva ou pede para liberar o agressor, no entanto o processo criminal segue em curso.

Juíza Adriana Lins

Mais números

Ainda dentro do balanço, Adriana Lins revela que nas duas Varas existe 514 processos de violência doméstica; 200 processos por furto na 1ª Vara e 218 na 2ª; 126 processos por tráfico; 100 processos por roubo na 1ª Vara e 149 na 2ª.

Busca e apreensão

Uma das principais ferramentas que as polícias usam para efetuar prisões de suspeitos e acusados de crimes é a busca e apreensão deferida pela Justiça. Segundo Adriana Lins, só em 2017 a Polícia Civil protocolou 10 pedidos de busca e apreensão e todos foram concedidos pelas duas Varas.

“É muito difícil a Justiça indeferir um pedido de busca e apreensão porque é o segundo maior instrumento que a polícia tem de esclarecer crimes. Se ela não conseguir chegar ao criminoso em flagrante, a outra opção é o mandado de busca e apreensão. A Justiça tem consciência da importância do mandado para os trabalhos investigativos”, esclareceu a magistrada.

Audiências de custódia

Outro ponto que costuma gerar polêmica e desencontros de informações é a audiência de custódia, que é um direito de quem é preso suspeito ou acusado de um crime. Sobre isso, Adriana Lins explica que não há audiência de custódia com adolescentes.

Nesse caso específico, o menor que foi detido pela polícia é apresentado ao delegado, que decide por liberá-lo ou pedir sua internação. Se o delegado pedir a internação, o infrator é encaminhado ao Ministério Público que, por sua vez, só aí pede a autorização ao juiz.

“Não é a Justiça quem solta. Esse procedimento é feito entre a autoridade policial e o Ministério Público. É preciso esclarecer o papel de cada personagem nesse sistema de segurança pública para que cada um possa assumir a sua responsabilidade.”

Por fim, ela pede que tanto o profissional de imprensa quanto qualquer outro cidadão que quiser esclarecimento sobre questões judiciais, procure somente a Justiça.

“Polícia dá informação de polícia, Justiça dá informação de Justiça. Eu estou aqui aberta a prestar todas as informações. Desde que não sejam informações que não podem ser dadas por sigilo profissional, todos os outros dados estatísticos nós estamos aqui dispostos a fornecer.”

DIÁRIO DO SERTÃO

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan