header top bar

section content

Paraíba:Mudança de governo altera cenário político

A cassação do ex-governador Cássio Cunha Lima (PSDB) e a posse de José Maranhão (PMDB) como governador do Estado mexeu com o quadro político do Estado. A nova conjuntura sinaliza para a perspectivas de várias candidaturas ao governo do Estado, onde o novo governador sai fortalecido para disputar a reeleição. Figuram ainda como prováveis candidatos […]

Por

25/02/2009 às 09h01

A cassação do ex-governador Cássio Cunha Lima (PSDB) e a posse de José Maranhão (PMDB) como governador do Estado mexeu com o quadro político do Estado. A nova conjuntura sinaliza para a perspectivas de várias candidaturas ao governo do Estado, onde o novo governador sai fortalecido para disputar a reeleição. Figuram ainda como prováveis candidatos o próprio Cássio Cunha Lima (PSDB), caso encontre brecha jurídica; os senadores Efraim Morais (DEM) e Cícero Lucena (PSDB), pela oposição; o prefeito da Capital, Ricardo Coutinho (PSB); e o prefeito de Campina Grande, Veneziano Vital (PMDB).

Publicamente, tanto o governador José Maranhão como o prefeito Ricardo Coutinho evitam falar em 2010, diferentemente de Efraim e Cícero, que já se colocam como pré-candidatos. Enquanto Cícero colocou o seu nome à disposição do partido para possíveis avaliações, Efraim já iniciou uma verdadeira cruzada pelo interior do Estado numa pré-campanha. Já o ex-governador Cássio Cunha Lima, conforme matéria publicada na edição de O NORTE no último domingo, admite a possibilidade de disputar a sucessão estadual.

Para o cientista político Lúcio Flávio Vasconcelos, a mudança do comando do Estado sinaliza para a construção de três candidaturas fortes para o governo do Estado em 2010.

Segundo ele, o principal beneficiado no novo contexto político foi o senador José Maranhão que, agora no Poder, se credencia ainda mais como candidato pelo fato de ser bastante conhecido no Estado e por reunir condições de agrupar o apoio dos partidos da base do presidente Lula. “O Poder exerce um poder gravitacional entre os partidos, por outro lado, Maranhão terá pouco mais de um ano para apresentar à população uma prática diferente do governo Cássio Cunha Lima”, alerta.

Na avaliação de Lúcio Flávio, José Maranhão terá que avançar no que diz respeito a atração de projetos estruturantes para o Estado e melhorar as áreas da saúde, educação e segurança, áreas que o próprio Maranhão, ao assumir o governo na semana passada, apontou entre as suas prioridades.

Maranhão e Ricardo enfrentarão desafios
O cientista político ressaltou que o PT será importante para o PMDB no sentido de facilitar a liberação de verbas federais e o PMDB é importante para o presidente Lula que precisa consolidar a candidatura à presidência da ministra Dilma Roussef. "A consolidação da candidatura do PMDB no Estado depende indubitavelmente do desempenho do governo José Maranhão III e para isso precisa cumprir as promessas e concluir as obras abandonadas deixadas pelos últimos governos", avaliou o cientista político.

Lúcio Flávio afirmou que o lançamento de uma candidatura a governador do PSDB e do DEM, capitaneada pelo ex-governador Cássio Cunha Lima, é uma questão de sobrevivência política do grupo que perdeu o governo do Estado, e espaço nas grandes prefeituras, mas tentará manter o equilíbrio político nos pequenos municípios do interior. Ele citou que o grupo ainda está indeciso sobre quem serão os candidatos majoritários, já que tanto os senadores Cícero Lucena quanto Efraim Morais aspiram a candidatura ao governo e ainda não há uma definição sobre a participação de Cássio, seja disputando o governo ou uma vaga no Senado Federal, nas próximas eleições.

Para o cientista político, o prefeito Ricardo Coutinho (PSB) surge como um terceiro nome com aval de setores do PT, de outros partidos aliados e com respaldo popular diante do exemplo administrativo do governo municipal na Capital paraibana. "Ricardo tenta construir uma terceira via no Estado partindo da Capital para o interior, a partir de cidades importantes como Cajazeiras, Cabaceiras, Taperoá e Mamanguape. É a primeira liderança política do Estado que se projeta de João Pessoa para o interior. Geralmente o caminho é inverso", ressaltou.

Na avaliação de Lúcio Flávio, Ricardo Coutinho tem como desafio manter a base de apoio que tem na administração municipal, formada pelo PTB, PP e partidos de esquerda como o PC do B e o PT, este último apesar de ser governo, com o vice-governador Luciano Cartaxo, conta com uma tendência majoritária simpática ao nome do prefeito Ricardo Coutinho para comandar os destinos no Estado a partir de 2011. Segundo Lúcio Flávio, o vice-go-vernador Luciano Cartaxo precisa se fortalecer dentro do PT para que não haja o distanciamento do governo de José Maranhão.

SAIBA MAIS
Reeleição – Sobre o instituto da reeleição, Lúcio Flávio avaliou que beneficia quem está no Poder e neste ponto José Maranhão leva vantagem, já que para disputar o governo do Estado Ricardo Coutinho terá que se licenciar do cargo de prefeito no dia 30 de março do próximo ano e o atual governador não precisa se licenciar para disputar as eleições.

Fonte:O Norte

CALDEIRÃO POLÍTICO

VÍDEO: Aliado releva que dois vereadores de oposição estão rasgando elogios ao prefeito Airton Pires

DIÁRIO ESPORTIVO

Diário Esportivo recebe o professor Sérgio Cunha divulgando o IV Open paraibano de Karatê; Confira!

CASA NOVA

Locutor esportivo troca de emissora de rádio em Cajazeiras e revela mágoa: “Tomei uma pancada violenta”

NOVIDADES

VÍDEO: Novo padre da Paróquia São João Bosco confirma que pretende revitalizar a Praça Camilo de Holanda