header top bar

section content

Ato pela democracia atrai grande público em Cajazeiras; emissora de rádio foi alvo de protestos – VÍDEO!

O ato começou na Praça das Oiticicas e percorreu várias ruas da cidade. No percurso houve paradas estratégicas em frente a uma rádio e à Prefeitura

Por Jocivan Pinheiro

31/03/2016 às 20h10 • atualizado em 31/03/2016 às 20h11

Assim como aconteceu em todo o país, Cajazeiras também registrou ato em favor da democracia e contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) nesta quinta-feira (31). A mobilização foi organizada pela Frente Brasil Popular, que conta com apoio de estudantes, sindicatos, associações de trabalhadores e movimentos sociais organizados.

Manifestação começou na Praça das Oiticicas

Manifestação começou na Praça das Oiticicas

O ato começou na Praça das Oiticicas, no Centro, e percorreu várias ruas da cidade. No percurso houve paradas estratégicas. A primeira delas foi em frente à rádio Difusora, que é bastante criticada pelos membros do movimento por ter, segundo eles, uma postura imparcial contra simpatizantes do governo Dilma. Houve gritos de protestos contra a emissora.

Depois a passeata parou no pátio da Prefeitura, onde manifestantes tiveram a oportunidade de fazer uso da palavra. Houve até um momento de descontração com a participação do sanfoneiro Chico Amaro em cima do carro de som puxando um forró e colocando o público para dançar.

O ato contou também com a presença dos vereadores Ivanildo Dunga (PMN), Marcos do Riacho do Meio (PT), Jucinério Félix (PPS) e do ex-vereador Severino Dantas, um dos maiores símbolos do PT na região.

Ato parou em frente à rádio Difusora

Ato parou em frente à rádio Difusora

Ivanildo Dunga: “Antes de tudo eu sou uma pessoa de lutas, e de lutas por causas justas. Nada mais justo do que a gente defender o direito da democracia. Se o voto do cidadão que escolheu Dilma para administrar o país por mais quatro anos não tiver validade, não adianta ninguém mais ir às urnas.”

Marcos do Riacho do Meio: “Esse golpe é de meia dúzia do PSDB acostumados a dominar o país. Isso é um golpe. E a gente, que é democrático, vamos para a rua defender a democracia e dizer que o governo Dilma e o governo Lula foi quem recuperou o país.”

Mariana Moreira, professora e sindicalista: “Não existe fundamentação legal para impeachment. Por isso nós estamos na rua. Porque nós não defendemos a corrupção, defendemos a legalidade, a democracia e a apuração de todas as irregularidades com isenção e justiça.”

Nonato Saraiva, desenhista: “A gente está vendo todos os desmandos cometidos por pessoas que não tinham nenhuma capacidade de estar à frente de processo de impeachment; formando um grupo de criminosos querendo punir uma presidente democraticamente eleita pela população. Nós não concordamos com o golpe, com essa tentativa de tomada de poder a partir de uma coisa não legal.”

Rigonaldo Pereira, professor e sindicalista: “A gente está consciente de que o maior risco do país nesse momento é a gente fraturar a democracia. Então a gente precisa dar essa resposta à sociedade brasileira e ao Congresso Nacional, que quer realmente dar um golpe, porque impeachment sem crime é um golpe, um golpe branco. Nós estamos cientes que esse momento é um momento crucial. Vamos enterrar esse processo de impeachment que é ilegal, que é um crime contra o povo brasileiro.”

DIÁRIO DO SERTÃO

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan