header top bar

section content

Advogado compara ‘ajuda’ dos vereadores a compra de voto: “Ninguém pode evitar”

Alguns acham o 'assistencialismo' normal e que faz parte do trabalho do vereador, outros alegam que é feito em troca de voto

Por Jocivan Pinheiro

14/07/2016 às 16h35 • atualizado em 14/07/2016 às 16h38

Uma prática comum da classe política brasileira, principalmente dos vereadores por estarem mais próximos do povo, é a chamada ‘política do assistencialismo’, em que os parlamentares ajudam cidadãos a resolverem problemas particulares.

Essa prática divide opiniões. Uns acham normal e até defendem que faz parte do trabalho do vereador. Outros criticam alegando que a ajuda particular é feita em troca de voto – ainda que o pedido de voto não seja explícito, espera-se que a ajuda seja recompensada nas eleições.

VEJA TAMBÉM:

» Em Cajazeiras, enquete confirma que a população não sabe qual o papel do vereador

» Juristas esclarecem mudanças na veiculação de carros de som e explicam como devem ser as entrevistas de pré-candidatos nas emissoras de rádio durante período eleitoral

O advogado Johnson Abrantes, especialista em Direito Eleitoral, compara o assistencialismo a compra de voto no sentido de que as duas práticas dificilmente serão extintas do processo eleitoral brasileiro, segundo ele.

No entanto, Johnson explica que a ajuda particular de um vereador a um cidadão só é ilegal perante a Justiça Eleitoral se houver o pedido explícito do voto. Se a ajuda tiver a intenção meramente humanitária, o parlamentar não é punido.

“Isso é uma estrutura antiga que dificilmente nos próximos anos nós vamos nos ver livres dela. Você pode prestar o favor por uma questão humanitária, mas não pode condicionar o favor em troca do voto”, diz o advogado.

Para Johnson Abrantes, a compra de voto explícita no Brasil também não terá fim porque “é uma tradição histórica” que “ninguém pode evitar”, pois “se compra voto na calada da noite, às escondidas.”

DIÁRIO DO SERTÃO

CALDEIRÃO POLÍTICO

VÍDEO: Aliado releva que dois vereadores de oposição estão rasgando elogios ao prefeito Airton Pires

DIÁRIO ESPORTIVO

Diário Esportivo recebe o professor Sérgio Cunha divulgando o IV Open paraibano de Karatê; Confira!

CASA NOVA

Locutor esportivo troca de emissora de rádio em Cajazeiras e revela mágoa: “Tomei uma pancada violenta”

NOVIDADES

VÍDEO: Novo padre da Paróquia São João Bosco confirma que pretende revitalizar a Praça Camilo de Holanda