header top bar

section content

veja mais Região de Cajazeiras

Prefeito da região de Cajazeiras perde no Tribunal de Justiça e pode ficar sem mandato

A decisão desta terça foi proferida por unanimidade, pela Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba´.

Por Luzia de Sousa

05/10/2016 às 14h52 • atualizado em 06/10/2016 às 07h10

Prefeito de Uiraúna, Bosco Fernandes (PSDB)

O ex-prefeito de Uiraúna, João Bosco Nonato Fernandes, ou simplesmente Dr. Bosco (PSDB), foi eleito no último domingo com 54% dos votos. Com isso, depois de ser afastado do cargo em condenação por improbidade administrativa na primeira instância, teve nesta terça-feira (4) a sentença confirmada pelo Tribunal de Justiça da Paraíba. A conclusão, com isso, é que ele poderá ser impedido de tomar posse no cargo, caso o Ministério Público Eleitoral (MPE) protocole recurso contra a expedição de diploma.

A decisão desta terça foi proferida por unanimidade, pela Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba. A corte rejeitou os embargos de declaração na apelação cível do ex-prefeito, por irregularidades concernentes a empréstimo de equipamentos médicos da municipalidade. O recurso (0000260-51.2012.815.0491), apreciado nesta terça-feira (4), teve a relatoria do juiz convocado Carlos Antônio Sarmento.

Com a decisão, o colegiado acolheu, parcialmente, o recurso do Ministério Público e manteve a sentença do Juízo de Primeiro Grau, bem como o entendimento da Terceira Câmara quando julgou o apelo do gestor. Na ocasião, o órgão fracionário confirmou ter havido comprovação suficiente de violação à Lei de Licitações. Na sentença, o gestor foi condenado às penas de ressarcimento integral dos danos ao erário, suspensão dos direitos políticos pelo prazo de cinco anos e proibição de contratar com o poder público ou receber benefícios, além de pagamento ou multa civil, no equivalente ao valor do dano.

O prefeito foi acusado de celebrado um contrato de comodato, sem qualquer autorização legislativa, entre a Prefeitura de Uiraúna e a Casa de Saúde Padre Costa, de propriedade do gestor. Desta forma, João Bosco teria emprestado pelo período de 12 anos equipamentos médicos, entre eles, otoscópio, bisturi elétrico bipolar, carros de emergência completo e um desfibrilador. Ao rejeitar os embargos de declaração, o juiz Carlos Sarmento ressaltou, que na gestão de João Bosco, a administração municipal adquiriu equipamentos médicos destinados a uma unidade de saúde, sendo que, após a sua entrega e pagamento, os bens foram repassados imediatamente a título de comodato para uma entidade privada, pelo prazo de 12 anos.

“Apontou-se que o empréstimo foi efetivado com dispensa de licitação e em prazo que demonstra a intenção de burlar a regularidade administrativa. Os equipamentos foram pagos em 30 de dezembro de 2008 e o Termo de Comodato assinado em 31 de dezembro de 2008, justamente ao apagar das luzes do mandato do aqui primeiro embargante frente a gestão municipal”, disse o relator.

De Suetoni Souto Maior para o Jornal da Paraíba informações do Tribunal de Justiça

GRANDE FESTA

VEJA FOTOS E VÍDEO: Empresários, políticos e comerciantes de quatro cidades da região de Cajazeiras são homenageados durante Festa do Empreendedor

MENSAGEM DE ESPERANÇA

Programa Mensagem de Esperança com Sara Sheyla e Nelson Dantas – 26052017

INTERVIEW

Diretora do Vale dos Dinossauros e agente de viagens destaca visitação as pegadas e ‘convoca’ empresários da região de Sousa e Cajazeiras para alavancar turismo. VÍDEO!

DIÁRIO ESPORTIVO

Diário Esportivo recebe a atleta Rebeca Café e as integrantes do Cajá Volley de Cajazeiras