header top bar

section content

Lira volta a cobrar solução para crise hídrica e diz que região de Campina Grande será uma das primeiras beneficiadas com a transposição

Senador Raimundo Lira (PMDB-PB) voltou a cobrar soluções para a crise hídrica que atinge a Paraíba, sobretudo a cidade de Campina Grande

Por Priscila Belmont

03/11/2016 às 12h04

Senador Raimundo Lira (PMDB-PB)

Preocupado com os efeitos da seca que assola o Nordeste há seis anos, o Senador Raimundo Lira (PMDB-PB) voltou a cobrar soluções para a crise hídrica que atinge a Paraíba, sobretudo a cidade de Campina Grande, que, com mais de 400 mil habitantes, corre o risco de um colapso no abastecimento de água.

Ele lembrou que a Barragem do Boqueirão, que abastece Campina Grande e outras 19 cidades do Compartimento da Borborema, vive o pior momento de sua história e já atingiu o ponto mais crítico, o chamado “volume morto”. Segundo a Agência Executiva de Gestão das Águas (Aesa), o açude Epitácio Pessoa iniciou o mês de outubro com apenas 24.594.941 m3 de água, o que representa 6% de sua capacidade.

Transposição – A solução técnica para esse problema, segundo Lira, é a transposição, cujas águas devem chegar à Paraíba no início de 2017. Ele alertou que providências são necessárias, porque garantir o abastecimento de água por carros-pipa para uma cidade com 450 mil habitantes, como Campina Grande, é tecnicamente impossível.

“O abastecimento de Campina Grande é emergencial. Não sabemos se há condições de esperar a transposição, mas a região de Campina será, possivelmente, uma das primeiras a serem beneficiadas pela obra”, disse Lira, que é presidente da Comissão de Acompanhamento das Obras de Transposição e Revitalização do Rio São Francisco.

Ele reafirmou que tem contato permanente com o Ministério da Integração Nacional, e tem recebido a garantia de que a equipe técnica do órgão está trabalhando, em tempo integral, para encontrar a solução, o plano B de abastecimento de Campina Grande.

Raimundo Lira ressaltou que o abastecimento de Campina Grande não é uma solução que exige rapidez, e sim, emergência. “É absolutamente impossível atender, mesmo precariamente, uma cidade com 450 mil habitantes com carros-pipa. Tem de ser via abastecimento direto, com adutoras. É, portanto, uma solução emergencial. Nós estamos cobrando essa solução todos os dias”, enfatizou.

Assessoria de Imprensa

CASA NOVA

Locutor esportivo troca de emissora de rádio em Cajazeiras e revela mágoa: “Tomei uma pancada violenta”

NOVIDADES

VÍDEO: Novo padre da Paróquia São João Bosco confirma que pretende revitalizar a Praça Camilo de Holanda

AO VIVO NA TV

BOMBA! Ator cajazeirense revela que foi estuprado quando era coroinha de igreja: “Fui pra missa chorando” – ASSISTA!

TEM POTENCIAL

VÍDEO: Atleta cajazeirense pede ajuda pra realizar sonho de correr a São Silvestre; veja como patrocinar