header top bar

section content

Dono da JBS grava Temer autorizando compra do silêncio de Cunha; Manifestantes gritam “Fora, Temer” em frente ao Planalto. VÍDEOS!

Presidente da República teria incentivado pagamento de mesada a Eduardo Cunha e a Lúcio Funaro para evitar delação da dupla, que está presa

Por Luzia de Sousa

18/05/2017 às 07h51

Uma denúncia incendiou o mundo político nacional nesta quarta-feira (17/5) e as chamas chegaram ao Palácio do Planalto. Em uma gravação feita por Joesley Batista, dono da JBS, em março deste ano, o presidente da República, Michel Temer (PMDB), dá o aval para que o silêncio do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ) seja comprado. As informações são do jornal O Globo.

Segundo a reportagem, o empresário informou a Temer que estava dando a Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro uma mesada na prisão para ambos ficarem calados. Diante da informação, Temer incentivou: “Tem que manter isso, viu?”. Na conversa, Temer indicou o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) para resolver um assunto da J&F — holding que controla a JBS, maior produtora de carne do mundo. Posteriormente, Loures foi filmado pela Polícia Federal recebendo uma mala com R$ 500 mil enviados por Joesley. O dinheiro seria parte da mesada.

Joesley, que está nos Estados Unidos, disse já ter pago R$ 5 milhões para Eduardo Cunha após a prisão do peemedebista. Esse valor seria referente a um “saldo” de propina. Ainda de acordo com o empresário, ele devia R$ 20 milhões pela tramitação de uma lei sobre a desoneração tributária do setor de frango.

As informações foram confirmadas, na quarta-feira passada (10/5), por Joesley Batista, o seu irmão Wesley e outros cinco executivos da JBS ao ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), relator da Operação Lava Jato na Corte. Os depoimentos, de acordo com o colunista Lauro Jardim, foram prestados à Procuradoria-Geral da República (PGR) em abril, por livre e espontânea vontade de Joesley Batista.

As pessoas ligadas à JBS estariam prestando delações premiadas para evitar eventuais prisões. Entretanto, até a madrugada desta quinta (18), nem o STF nem a PGR haviam se manifestado sobre o assunto. A expectativa é pela liberação das gravações que, além de Temer, comprometeriam outros políticos.

Protesto
Cerca de 300 manifestantes se reuniram em frente Palácio do Planalto para protestar contra Michel Temer. Eles pedem o impeachment do presidente e novas eleições.

A Polícia Militar fez uso do gás lacrimogêneo em duas oportunidades. Na primeira, afastando os manifestantes da calçada do outro lado da rua em frente ao palácio. Minutos depois, para forçar o recuo de quem protestava.

O trânsito no local ficou congestionado, e os motoristas buzinavam em apoio ao protesto. Uma pessoa foi detida por desacato e encaminhada à 5ª DP (Área Central).

“O governo Temer acabou”, diz senador da oposição Lindbergh Farias
A manifestação teve início após a divulgação do teor de uma gravação feita por Joesley Batista, dono da JBS, em março deste ano. No conteúdo, Temer dá aval para que seja comprado o silêncio do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e do operador Lúcio Funaro. As informações são do jornal O Globo.

Oposição
O deputado Alessandro Molon (Rede-RJ), que protocolou o pedido de impeachment contra Temer na Câmara na noite desta quarta (17), foi ao protesto. Ao Metrópoles, ele disse que o presidente não tem mais condições de governar o país. “Cada dia que Temer continuar no governo será pior para o país”, afirmou. Por volta das 22h30, a manifestação começou a se dispersar.

Aécio Neves
Além de Michel Temer, as gravações de Joesley também complicam a situação do senador Aécio Neves (PSDB), flagrado pedindo R$ 2 milhões ao empresário. O dinheiro teria sido entregue a um primo do tucano e a cena, filmada pela Polícia Federal.

Ainda segundo O Globo, a PF rastreou os recursos e descobriu que eles foram depositados em uma empresa do senador Zezé Perrella (PSDB-MG).

PT
Joesley relatou também que Guido Mantega, ex-ministro da Fazenda dos governos Dilma e Lula, era o seu contato com o PT. Era com Mantega que o empresário negociava dinheiro de propina para ser distribuído a petistas e aliados. Mantega também operava os interesses da JBS no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

“Ações controladas”
Para comprovar as denúncias de Batista, a força-tarefa da Lava-Jato usou, pela primeira vez, “ações controladas”, num total de sete. A ideia era obter provas em flagrante, mas sem que a Polícia Federal efetuasse prisões naquele momento.

Dessa forma, conversas e entrega de propina foram filmadas pela PF. As cédulas tinham seus números de série informados aos procuradores e malas e mochilas estavam com chips que permitiam rastrear o paradeiro do dinheiro. Nessas ações controladas, foram distribuídos cerca de R$ 3 milhões em propinas apenas em abril. Ou seja, mesmo após todo o escândalo da Lava Jato, deflagrado em 2014, políticos — alguns inclusive já atrás das grades — continuaram recebendo dinheiro.

A expectativa, agora, é que o STF libere nos próximos dias as gravações de Joesley Batista e da Polícia Federal. Temer, Aécio e outros acusados negaram, na noite de quarta (17), qualquer irregularidade.

Metópoles

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Fonte de água da vida e o Pr. Nilton

ENTREVISTA BOMBÁSTICA

VÍDEO: Declarações polêmicas e provocações marcam o programa Xeque-Mate com o ex-prefeito Carlos Antônio

VÍDEO

Ex-aliado diz que prefeito de Cajazeiras forma “organização criminosa” e aponta gordas gratificações

DIÁRIO ESPORTIVO

Confira o resumo da rodada no programa Diário Esportivo com Luiz Júnior