header top bar

section content

Léa revela que governador pediu retratação; Aliado de RC contesta e diz que colega errou

“Melhor está com a cara limpa do que voltar atrás por uma coisa que não tinha feito por maldade”. Declarou a vereadora Léa Silva

Por

10/11/2015 às 18h00

De volta à Câmara Municipal de Cajazeiras nessa segunda-feira (9), a ex-secretária da Casa Civil Léa Silva (DEM) discursou na tribuna da Casa Otacílio Jurema e assegurou que não há qualquer ‘arranhão’ na relação política com o governado Ricardo Coutinho (PSB), além de agradecer a oportunidade de ocupar o cargo estadual por alguns meses.

A vereadora explicou já havia conversado com o ex-prefeito Carlos Antonio para entregar o cargo no mês de janeiro, pois só ficaria em João Pessoa até o final deste ano, mas as coisas se anteciparam ao seu planejamento.

Veja mais:

Secretário de Ricardo Coutinho volta a se pronunciar sobre hemodiálise de Cajazeiras, tacha movimento de criminoso e dispara: “Usa o sofrimento alheio por dinheiro. É maldade"

Ricardo e Carlos Antônio se estranham e crise política respinga em Léa Silva. Veja!

A ex-secretária adiantou que estava tratando do assunto pela última vez e revelou: “O governador pediu que eu me redimisse. Eu não tinha porque me redimir porque seria covarde e covarde não sou. Desejamos a um cidadão cajazeirense que ele seguisse em frente. Em nenhum momento estava falando com o vice-prefeito, fazendo apologia política”.

Léa Silva deu razão ao governador quanto a sua demissão, mas lamentou da forma que ocorreu sua exoneração. “Melhor está com a cara limpa do que voltar atrás por uma coisa que não tinha feito por maldade”.

O outro lado
Marcos Barros (PSB) deu boas vindas a colega no seu retorno a Casa, mas discordou quanto a da  vereadora quanto ao comentário feito na postagem do vice-prefeito Júnior Araújo (PTB), que tachou o governador de perseguidor.

“Concordo em 90% o que vossa excelência falou aqui, mas vossa excelência errou em um ponto: De não ter defendido o governador quando ele foi atacado pelo atual vice-prefeito quando disse que a Saúde do estado era de perseguição”.

O socialista relembrou que a campanha do governador foi iniciada na casa de Léa em Silva em Cajazeiras, mas declarou que o governador foi exposto pelo vice-prefeito como perseguidor. “Ele foi exposto e não houve nesse momento nenhuma defesa”.

DIÁRIO DO SERTÃO

A FAVOR DA REFORMA

Empresário diz que Justiça do Trabalho só penalizava os patrões e chama a CLT de ‘excrescência jurídica’

DA REGIÃO DE CAJAZEIRAS

VÍDEO: Do assassinato do pai ao sucesso na política, prefeito conta trajetória de superação no Interview

'AULÃO SOLIDÁRIO'

VÍDEO: Ordem DeMolay de Cajazeiras promove aulão gratuito preparatório para o ENEM; veja como participar

ENTRETENIMENTO

Maria Calado na TV com os integrantes do espetáculo “Trinca mas não quebra” e o cantor Lucas Soares