header top bar

section content

Maranhão diz que PMDB terá candidato a presidente, governador, prefeito e adianta possíveis nomes

O peemedebista lembrou que o partido foi para a eleição sozinho, sem tempo de televisão.

Por

03/11/2015 às 17h54

Senador volta a falar de política na Paraíba

O presidente do PMDB na Paraíba, senador José Maranhão, comentou em entrevista ao Sistema Arapuan de Comunicação que o partido pretende ter candidato próprio a presidente da república, governador do estado e prefeito das grandes cidades e destacou que a aliança para 2016 com o PSB deve ficar para o segundo turno.

“O PMDB é aliado de Ricardo Coutinho porque não apóia o candidato de Ricardo em João Pessoa, o governador até hoje não tem candidato, tem pré-candidatos, treinados para serem candidatos, mas por hora não tem candidatos e se tiver, os que estão falando aí se tornarem, nada impede que o aliado PMDB tenha com o PSB o compromisso de alianças outras. Numa disputa municipal pode acontecer que o candidato do PMDB compareça e se firme e pode estar no segundo turno, mas se não tiver vamos apoiar o candidato do aliado Ricardo Coutinho, mas isso vai depender do comportamento de ambos os lados”, afirmou.

Maranhão lembrou dos acordos para a eleição de 2014 e das “coisas atípicas” que aconteceram como o fato de ter fechado aliança com o PT em João Pessoa, num “trabalho difícil, penoso, com um forte componente de intervenção do diretório nacional e estávamos próximos da convenção quando fomos surpreendidos porque o PT deixou esse acordo e aliou-se a Ricardo Coutinho”, disse. “Em política tudo pode acontecer inclusive nada”, destacou.

O peemedebista lembrou que o partido foi para a eleição sozinho, sem tempo de televisão e brincou: “Fiquei quase na situação de Enéas”, “mas ganhamos a eleição”, completou. O senador apontou também que a eleição apontou um aspecto novo da política paraibana, onde os comandos não conseguiram “arrastar” o senador e deputados. “O nosso candidato não emplacou, teve apenas 5%, mas teve bancada federal, estadual e um senador”, disse.

Questionado sobre o nome que o PMDB lançaria para substituir Dilma Rousseff (PT) em 2018, o senador argumentou que na própria história muitos presidentes não tinham histórico nem eram muito conhecidos citando Jânio Quadros e Fernando Collor de Melo. “Além de pouco conhecidos, na época despreparados foi o que aconteceu com eles, Jânio fez uma renúncia mal intencionada porque ele pensava que o congresso nacional iria se intimidar e recusar concedendo a ele plenos poderes e Collor sofreu um processo de impeachment”, comentou.

Para o peemedebista um bom nome seria o de Roberto Requião. “Pode despontar, mas não estou lançando ninguém”, explicou.

Da Assessoria

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan