header top bar

section content

Veneziano diz que ascensão de Vital é um orgulho para a Paraíba

"Ele será um árbitro, um magistrado, com pulso firme". Disse Veneziano sobre o irmão

Por

03/02/2015 às 16h10

Veneziano fala do irmão Vital do Rêgo

O deputado federal pelo PMDB, Veneziano Vital do Rêgo, disse à imprensa paraibana nesta terça-feira, 03, por telefone,  direto de Brasília, que a ascensão do ex-Senador Vital para ser Ministro do TCU, não é apenas uma conquista pessoal, mas sim uma vitória de Campina Grande, sua terra natal, e da Paraíba como um todo.

Veneziano disse que a experiência política de Vital de quase três décadas, como vereador, deputado e depois como Senador, será importante para que o mesmo possa desenvolver um trabalho ainda mais de qualidade no Tribunal de Contas.
 
Sobre a eleição de Eduardo Cunha para a Câmara dos Deputados, o parlamentar disse ter a certeza que o novo Presidente agirá como havia dito antes da eleição: nem Governo, nem oposição, será do Parlamento. "Eduardo vai fazer um trabalho que precisa ser feito, que é o resgate da imagem da Câmara e isso tem que ser feito com altivez. Pautas importantes, sejam elas de interesse do Governo ou não, estarão em discussão. Ele será um árbitro, um magistrado, com pulso firme e ele terá um papel decisivo nesse momento de certa instabilidade. Nós precisamos transmitir à opinião pública de que o Parlamento merece um voto de confiança".

Em Brasília
Ainda na Capital Federal, Veneziano estará nas instâncias federais ajudando o governador Ricardo Coutinho, para que as emendas aprovadas na Legislatura passada, possam ser liberadas o quanto antes para a Paraíba.

Da Assessoria

Tags:
ALFINETOU

VÍDEO: Aliado do prefeito destaca asfaltamento de ruas de Cajazeiras e alfineta grupo de Carlos Antonio

REVELAÇÃO

VÍDEO: Emocionado, radialista fala de dificuldades na infância e revela que ‘amigo’ lhe ofereceu drogas

VEJA

VÍDEO: Gilvan de Andrade fala de experiência no Rádio em Cajazeiras e João Pessoa

VÍDEO

Padre anuncia reforma da paróquia São João Bosco de Cajazeiras a avalia atuação do bispo