header top bar

section content

Assembleia da Paraíba aprova Lei Orçamentária para 2014 com a rejeição de seis emendas

De um total de 404 propostas apresentadas, seis terminaram rejeitadas e duas foram retiradas.

Por

22/01/2014 às 16h53

Asswmbleia Legislativa da Paraíba. Confira!

A Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) aprovou à unanimidade o relatório final sobre o projeto retificado de Lei Orçamentária Anual (LOA), referente ao exercício de 2014. O ato ocorreu durante sessão ordinária encerrada no início da tarde desta quarta-feira (22). A matéria foi referendada pelos deputados estaduais com a inclusão de 396 emendas parlamentares. De um total de 404 propostas apresentadas, seis terminaram rejeitadas e duas foram retiradas.

Com a decisão, foi mantida na peça elaborada pelo Governo do Estado, o orçamento no valor de R$ 10.747.555.000 (dez bilhões, setecentos e quarenta e sete milhões, e quinhentos e cinquenta e cinco mil reais), onde R$ 10.068.416.000 (dez bilhões, sessenta e oito milhões, quatrocentos e dezesseis mil reais) são destinados ao orçamento fiscal e seguridade social (poderes do Estado, órgãos e entidades da administração estadual direta e indireta) e R$ 632 milhões para o investimento das empresas que o Estado, direta ou indiretamente, detém a maioria do capital social.

Também foram mantidos mais de R$ 71 milhões em recursos da Defensoria Pública do Estado (DPE), conforme determinação do Supremo Tribunal Federal (STF). Ao final da sessão, o presidente da ALPB, deputado Ricardo Marcelo (PEN), agradeceu a Comissão de Acompanhamento e Controle da Execução Orçamentária da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) e aos demais membros da Casa de Epitácio Pessoa pelo empenho na tramitação da LOA 2014.

“Gostaria de agradecer o empenho dos deputados estaduais e de todos que contribuíram para que conseguíssemos chegar ao final da tramitação desta matéria. A Assembleia Legislativa da Paraíba, graças a Deus, cumpre o seu papel na íntegra e com a independência que lhe é peculiar. Portanto, estamos de parabéns por mais um feito. Finalmente iniciamos o recesso até o dia 4 de fevereiro”, disse o presidente.

Nove emendas discutidas
Durante a sessão, o líder do Governo, Hervázio Bezerra (PSB), pediu destaque para nove emendas parlamentares inclusas no relatório final. Todas foram lidas, discutidas e votadas em plenário. Os deputados decidiram pela rejeição à emenda de remanejamento 303, de autoria do deputado Vital Costa (PP), que propõem o repasse de R$ 1,5 milhão para a construção do Fórum da Comarca de Araruna. Também foi reprovada a 399, da Comissão de Desenvolvimento, Turismo e Meio Ambiente, que retirava R$ 5 milhões em recursos da Secretaria de Estado da Infraestrutura para ações de fortalecimento do Conselho Estadual de Segurança Alimentar (Consea).

Emenda da bancada de Governo
A emenda 401 da bancada de Governo, apresentada pelo deputado Lindolfo Pires (Democratas), foi rejeitada pelo placar de 13 votos favoráveis contra 21. A proposta remanejava R$ 15,5 milhões dos recursos destinados à Defensoria Pública do Estado para a Secretaria de Estado da Saúde. O valor seria distribuído para a Construção e Ampliação de Unidades de Saúde (R$ 8 milhões), Hospital de Traumas de Campina Grande (R$ 2 milhões), Hospital de Mamanguape (R$ 5,5 milhões).

Mesmo integrando a bancada de Governo, os deputados Carlos Dunga (PTB) e Jutay Menezes (PRB) declaram o voto favorável à manutenção dos recursos da Defensoria. “Nada me fará fugir a luta, aqui não tem conotação política, pois ninguém me pediu para votar. Mas, eu não quero e não vou votar contra a minha classe de defensores públicos”, disse o petebista. “Eu via esse pedido da Defensoria como inconstitucional, mas após analisar a LOA e a proposta, vi que é um pedido justo. Tenho a absoluta certeza de que o pleito é legítimo”, afirmou Jutay.       

Já o líder da bancada, Hervázio Bezerra, afirmou que cada um votava de acordo com a consciência e o que seu compromisso era o de votar a favor do Governo do Estado. “Nada me faz fugir da luta, se assumo um compromisso, eu cumpro. Não sou inimigo da Defensoria, mas, não tenho medo de dar o meu voto na frente dos defensores. É melhor um mau acordo do que uma boa briga. Não existe orçamento impositivo e o Governo não tem obrigação de pagar”, ponderou.     

Recursos continuam na comunicação
Em seguida, os deputados estaduais rejeitaram a emenda 400, de autoria do relator da LOA 2014, Caio Roberto (PR). A matéria pedia o remanejamento de R$ 16.538.500 da receita da Secretaria de Estado da Comunicação Institucional para a Secretaria de Estado da Saúde. Segundo a proposta, R$ 2 milhões seriam destinados para obras de manutenção do Hospital de Emergência e Trauma Dom Luiz Gonzaga Fernandes, em Campina Grande; R$ 6.538.500 para reforma do Hospital Regional de Mamanguape e R$ 8 milhões para a Construção e Ampliação de Unidades de Saúde.

Outras emendas
Os deputados também rejeitaram duas das três emendas apresentadas pelo deputado Caio Roberto (402, 403 e 404), que retiravam recursos na ordem de R$ 42 milhões para a construção da nova sede da ALPB para implantação em ações de saúde e segurança pública. Apenas a 402 foi aprovada por 18 votos favoráveis contra 17 e voto de minerva do presidente da ALPB Ricardo Marcelo. A proposta sugere a destinação de R$ 15 milhões para investimento em ações de tratamento do câncer, por meio de convênio entre a Secretaria de Estado da Saúde e a Fundação Napoleão Laureano.

As emendas 403 e 404 propunham a destinação de R$ 16 milhões para a construção de novas unidades de saúde; R$ 8 milhões para aquisição de bens para a Polícia Civil; R$ 8 milhões para construção de nova sede de Instituto de Medicina Legal e R$ 3 milhões para construção e reforma de unidades policiais.

Conquista da Defensoria
A sessão ordinária foi acompanhada por vários membros da Defensoria Pública do Estado. Segundo a presidente da Associação Paraibana dos Defensores Públicos, Madalena Abrantes, a ALPB cumpriu com o seu papel aprovando o relatório final que garante o orçamento aprovado pelo Conselho Superior da Defensoria Pública de mais de R$ 71 milhões. “Estivemos aqui para pressionar os deputados a rejeitar a emenda de governo que retirava os recursos da Defensoria, que foram, inclusive, garantidos por liminar do Supremo Tribunal Federal”, comentou.

Também estiveram presentes o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Paraíba, Odon Bezerra e membros do Fórum de servidores Públicos Civis e Militares do Estado da Paraíba. “A Defensoria Pública, enquanto órgão autônomo e membro da advocacia pública, merece e tem o direito de receber o orçamento na íntegra”, comentou Odon.    

Da secom

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa: Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Fonte de Água da Vida

MARIA CALADO NA TV

Maria Calado na TV recebe diretamente do Rio Grande do Norte, Fábio Carvalho; CONFIRA!

XEQUE-MATE

VÍDEO: Vereador de Cajazeiras e educadores esclarecem polêmicas sobre a identidade de gênero nas escolas

DIÁRIO ESPORTIVO

Tudo sobre as novas contratações e a preparação dos times para o Campeonato Paraibano 2018