header top bar

section content

André Gadelha desafia autoridades de Cajazeiras: "Ninguém empata a liberação de 6 milhões de água para Sousa"

¨Não tem Zé Aldemir, Vituriano, prefeita ou vice que impeça. Nós vamos liberar essa água quem está dizendo sou eu¨, disse o Prefeito de Sousa

Por

22/09/2013 às 14h15

O prefeito da cidade de Sousa, André Gadelha (PMDB) declarou neste domingo (22), que ninguém vai impedi-lo de fazer a liberação dos 6 milhões de metros cúbicos do açude de Engenheiro Ávidos (boqueirão), para aguar os coqueiros no perímetro irrigado de São Gonçalo.

“Não tem Zé Aldemir, Vituriano, prefeita ou vice que impeça. Nós vamos liberar essa água quem está dizendo é André Gadelha”. Disparou o peemedebista

O gestor sousense se referiu a liberação da água para os coqueiros como uma grande conquista. “É um prêmio. Seis milhões de metro cúbicos é uma vitória muito grande”.

Veja mais: Vereadores de Cajazeiras não aceitam liberação de água para Sousa e taxam caso de loucura. Veja o vídeo!

Prefeito de Sousa defende retirada de seis milhões de metros de água de Boqueirão

Ouça áudio!

[mp3:Andre-22.mp3]

O outro lado
Em defesa de Cajazeiras, o ex-deputado Jeová Campos (sem partido) disse que o momento não é de se colocar contra os plantadores de cocos, mas dá prioridade ao consumo humano e animal.

O ex-petista pediu cautela a André Gadelha, pois o racionamento da água é necessário porque o manancial cajazeirense está praticamente seco.

Jeová ainda aconselhou o prefeito sousense: “Peço que André reflita, pois não é homem para isso”

Ouça áudio!

[mp3:jeova.mp3]

DIÁRIO DO SERTÃO

Tags:

“Boca Quente” fala sobre Nilvan, Josival, Gutemberg e narra fato que mais lhe chamou atenção na área policial

PROGRAMA XEQUE-MATE

VÍDEO: Padre e missionários falam sobre recuperação de dependentes químicos na região de Cajazeiras

DIÁRIO ESPORTIVO

Ao lado de grandes nomes da imprensa, Diário Esportivo debate as rodadas da Série C e D do Paraibano

PARTIU PARA O ATAQUE

VÍDEO: Júnior Araújo diz que José Aldemir vai perseguir servidores que não apoiarem campanha de Paula