header top bar

section content

VÍDEO: Padre da região de Cajazeiras culpa os políticos pelo aumento da violência no Sertão da Paraíba

"A sociedade é fragilizada pelo descrédito da política, e isso causa uma grande desordem social”, avaliou

Por Jocivan Pinheiro

08/09/2017 às 18h36 • atualizado em 08/09/2017 às 18h38

O Padre Chico Mendes, que atualmente é líder da Paróquia do município de Bonito de Santa Fé, no Alto Sertão paraibano, opinou sobre o aumento da violência na região e atribuiu este fato social à crise política do país.

Durante participação na festa de aniversário do município de Bernardino Batista, onde também foi pároco, o sacerdote declarou à TV Diário do Sertão que o aumento da violência está diretamente ligado à fragilidade da sociedade atual, que, por sua vez, é consequência da falta de confiança e esperança na classe política.

“É lamentável porque a gente sente que faz parte de uma sociedade muito frágil. A sociedade é fragilizada pelo descrédito da política. O povo vive neste dilema: acreditar ou não acreditar na política? E isso causa uma grande desordem social”, avaliou.

VEJA TAMBÉM: Idosa se emociona ao afirmar que voltou a andar graças a milagre de padroeira da região de Cajazeiras

Além das ações sociais e da retomada da consciência política, Padre Mendes ressalta que a religiosidade também pode ajudar a mudar essa realidade.

“É preciso que o povo se reaproxime de Deus e que os nossos governantes tomem consciência do valor de um mandato público para que nossa sociedade perceba seriedade nos que eles fazem e recuperem o crédito perdido”.

DIÁRIO DO SERTÃO

ENTREVISTA BOMBÁSTICA

VÍDEO: Declarações polêmicas e provocações marcam o programa Xeque-Mate com o ex-prefeito Carlos Antônio

VÍDEO

Ex-aliado diz que prefeito de Cajazeiras forma “organização criminosa” e aponta gordas gratificações

DIÁRIO ESPORTIVO

Confira o resumo da rodada no programa Diário Esportivo com Luiz Júnior

XEQUE MATE

VÍDEO: Carlos Antonio declara pela 1ª vez publicamente apoio a Júnior Araújo; “é cancela fechada”