header top bar

section content

Pegar zika depois de ter tido dengue pode ser ainda mais perigoso, afirma estudos

Estudo mostra que os anticorpos de quem pegou dengue ajudam a zika a se espalhar pelas células.

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

10/04/2017 às 09h55

Pegar zika depois de ter tido dengue pode ser ainda mais perigoso (Foto: dimarik/iStock)

Se você já teve dengue na vida, além de temer por um segundo contágio da doença (a dengue hemorrágica, que pode ser muito mais perigosa), você também deve temer o vírus da zika. Isso porque uma nova pesquisa americana mostrou que os anticorpos de quem já pegou dengue podem, na verdade, facilitar o contágio da zika dentro do nosso organismo.

Dengue, zika e o vírus do oeste do Nilo (comum na África e em regiões dos EUA) são doenças aparentadas: dividem cerca de 60% de sua informação genética. Todas fazem parte dos flavivírus. Quando uma pessoa é contaminada por um desses males, seu corpo desenvolve anticorpos que, na teoria, previnem que ela pegue a doença de novo. Mas, no caso da dengue, por exemplo, há quatro versões do vírus que causam a doença. Se, na segunda contaminação de dengue, uma pessoa tiver o azar de pegar uma variante de vírus diferente da primeira vez, os anticorpos em seu corpo ajudam o mal a se espalhar pelas células – em vez de impedi-lo. Por isso que é perigoso pegar dengue mais de uma vez, a versão hemorrágica.

A nova descoberta agora mostra que um princípio parecido acontece entre dengue e zika. O corpo armazena a resposta que usou para combater à dengue – e usa esses anticorpos para facilitar o vírus da zika a se espalhar. Isso é um péssimo sinal, já que o Brasil é foco das duas doenças.

O experimento foi feito com ratos injetados com plasma sanguíneo. Um grupo de ratos recebeu plasma que não havia tido contato com nenhum flavivírus; outro, com plasma contaminado por dengue; eo terceito grupo recebeu plasma do vírus do oeste do Nilo. Quando os ratos erm injetados om o plasma virgem e depois expostos a zika, a maior parte deles sobrevivia. Quando os ratos recebiam plasma com vírus do oeste do Nilo e depois pegavam zika, metade sobrevivia. E quando era o caso do plasma com dengue seguido de zika, a maior parte das cobaias morreu.

É melhor caprichar no repelente daqui para frente mesmo.

Super

DIÁRIO ESPORTIVO

Tudo sobre as novas contratações e a preparação dos times para o Campeonato Paraibano 2018

PSICOLOGIA NO AR

VÍDEO: Psicólogos debatem comportamento do ‘stalker’ nas redes sociais e quando o amor se torna obsessão

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa: Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Batista Independente

MARIA CALADO NA TV

Com muita irreverência, banda Gata Dengosa estoura a audiência no programa Maria Calado na TV; ASSISTA!