header top bar

section content

Diretor do HUJB fala da morte da criança e diz: ‘Médicos não querem trabalhar em Cajazeiras por pressão’ Vídeo

"o que ocorre é infelizmente a mãe ofertou alimento a criança não seguindo orientação médica", afirmou o diretor

Por Luzia de Sousa

03/05/2016 às 16h42 • atualizado em 04/05/2016 às 16h01

O diretor administrativo do Hospital Universitário Júlio Bandeira, Marcelo Pinheiro, em entrevista ao Diário do Sertão nesta terça-feira (3), explicou o caso que terminou com a morte da pequena Laiane Fernandes Tavares, 4 meses. Marcelo Pinheiro disse que a palavra negligência não define o HUJB, pois não tem desleixo com o atendimento nem omissão com os usuários.

Ele explicou que a criança chegou ao hospital na noite do domingo (1), tomou soro e a mãe foi orientada a ir para casa. “Ela voltou com a mesma queixa ontem [segunda], a médica colocou em observação e solicitou alguns exames”.

VEJA TAMBÉM

Criança de quatro meses morre durante exames médicos; Ela deu entrada no HUJB

► FORTE: Mãe da criança vítima de apendicite em Cajazeiras se emociona em programa ao vivo e revela sofrimento da criança até a morte; Menina pediu para chamar um padre

► Vereador quer processar médico acusado de maltratar mulher e criança no HUJB

► Diretora do HUJB fala sobre morte de criança e atendimento que virou caso de polpícia

O diretor assegurou que o resultado dos exames não apontava nenhuma infecção. “A primeira orientação que a médica fez: não desse nenhum alimento a criança até o fechamento do diagnóstico, o que ocorre é infelizmente a mãe ofertou alimento a criança não seguindo orientação médica. Os familiares não seguiram orientação médica. Era dieta zero.”, justificou o diretor.

De acordo com Marcelo Pinheiro, após a alimentação, a menina broncoaspirou e entrou em um processo cardiorespiratório. “Já estava agendado no Hospital Regional uma ultrossonografia e a avaliação de um cirurgião”, explicou ele.

Marcelo falou sobre morte da menina de 4 meses

Marcelo falou sobre morte da menina de 4 meses

Para o diretor, o hospital não negligenciou atendimento a Laiane Fernandes, e assegurou que é inverdade a denúncia de negligência médica no HUJB.

Municípios
Ele falou da grande demanda que chega ao HUJB e da dificuldade com a celeridade dos atendimentos, além da ‘intolerância social’ com a unidade de saúde. O diretor afirmou que as UBS de toda região não estão atendendo criança, sobrecarregando o hospital.

“São mais de 15 mil atendimentos de janeiro ao início deste mês de maio. É inconcebível prestar um atendimento de qualidade”, lamentou Marcelo

O diretor revelou que tem profissionais médicos que não querem trabalhar em Cajazeiras porque a população é incompreensível. “Ninguém quer perder, ninguém quer perder seu ente e incompreensíveis também porque não querem esperar. Profissionais bons já saíram do nosso hospital porque não suportam essa pressão social de forma até desleal com o nosso atendimento”, disse ele

DIÁRIO DO SERTÃO

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan