header top bar

section content

Cajazeirense critica gestores que só pensam no poder enquanto população chora por água

A cajazeirense Lena Guimarães escreveu em um dos artigos mais recentes para o Jornal da Paraíba sobre a crise hídrica.

Por Luzia de Sousa

18/10/2016 às 17h27 • atualizado em 18/10/2016 às 17h28

Caminhões pipa captando água do açude de São Gonçalo (foto: reprodução/Whatsapp)

A cajazeirense Lena Guimarães escreveu em um dos artigos mais recentes para o Jornal da Paraíba sobre a crise hídrica, que vem preocupando dezenas de cidades, especialmente no Sertão do estado.

+ Donas de casa relatam drama da falta d’água na zona norte de Cajazeiras; Cagepa justifica – Vídeo

Leia na íntegra
Durante a campanha eleitoral, a preocupação era eleger aliados. Depois, apresentar uma narrativa favorável das urnas para se posicionar para 2018. Na sequência, a disputa por prefeitos eleitos virou prioridade. A gravíssima crise hídrica que assola a Paraíba não tem merecido a mesma atenção, mesmo diante da possibilidade de um 6° ano consecutivo de seca, numa repetição da registrada no período 1979/1985.

Os números da Agência de Gestão de Águas da Paraíba (Aesa) eram os que deveriam estar permanentemente na boca dos políticos, principalmente os gestores, porque são gravíssimos: nossas reservas de água estão em apenas 11,9%, e isso por conta do litoral.

Dos 126 açudes monitorados pela Aesa, 58 estão em “situação crítica”, ou com menos de 5% do seu volume. Nesse estágio a água já não tem qualidade. Tem outros 31 reservatórios com menos de 20%.

Na região do Médio Curso do Rio Piranhas, onde estão Condado, Jericó, Brejo do Cruz, Riacho dos Cavalos e São José do Brejo do Cruz só restam 1,2% do estoque de água nos açudes. No Seridó, que abriga Picuí, Santa Luzia e São Mamede não é muito diferente: 1,5%. Na área de Taperoá, 4,2%; na região de Monteiro, 5,9%.

Gravíssima é a situação de Campina Grande e mais 19 cidades no seu entorno, com cerca de 1 milhão de habitantes, abastecidos pelo açude Epitácio Pessoa (Boqueirão), que pode armazenar 411 milhões de metros cúbidos de água e sangrou pela última vez em 2011. Está com apenas 6,4% (avaliação da última sexta-feira,14).

Apesar da forte seca nos anos seguintes, só em dezembro de 2014, quando o estoque de água tinha baixado para 24,1%, a Cagepa iniciou racionamento. Esperava-se a transposição, que em 2010 Lula prometeu que seria inaugurada em 2012, “a não ser que aconteça um dilúvio”. Em abril de 2013 o governo reconheceu que só tinha 57,8% das obras prontas. Em 2013, em meio a seca, Dilma jurou em entregaria em 2015.

Agora, o ministro Helder Barbalho (Integração), promete o Eixo Leste para janeiro, mas alerta para a possibilidade de colapso, em abril, no abastecimento da região de Campina. O prefeito Romero Rodrigo perfura poços para manter escolas e postos de saúde em funcionamento.

O comportamento da maioria dos nossos políticos induz uma conclusão: devem ter linha especial com Deus e sua garantia de chuvas, porque continuam preocupados só com o poder.

DIÁRIO DO SERTÃO

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan