header top bar

section content

Bombeiros se preparam para possível “carnaval molhado” com ocorrências de afogamento. Vídeo!

Tenente disse que o treinamento visa atender necessidades do carnaval que se aproxima. “Devemos ter carnaval molhado e nos preparar para eventualidades”

Por

20/02/2014 às 16h15

Bombeiros realizam treinamento em Cajazeiras. (Fotos: Ângelo Lima)

O tenente Genesson do Corpo de Bombeiros falou nesta quinta-feira (20) sobre o treinamento de salvamento aquático que está ocorrendo para os militares de Cajazeiras. Segundo o tenente, o treino é direcionado às competências necessárias para o salvamento aquático.

“No curso, o militar aprende o nado de aproximação, para que o militar perca a vítima de vista, aprende a fazer a posição denominada canivete e traz através do nado reboque”, disse o tenente. Ele aproveitou para agradecer a parceria com o IFPB e com a Peforma Academia.

Genesson disse que o treinamento visa atender necessidades do carnaval que se aproxima. “Devemos ter um carnaval molhado e estar preparados para possíveis eventualidades”, disse.

Notificação – O tenente lembrou que todos os proprietários Balneários de Cajazeiras e região já foram notificados e estão cientes da lei que determina a segurança de um guarda vidas para seus estabelecimentos. Os bombeiros vão fiscalizar e contam com a parceria da população para denunciar.

Genesson lembrou que os afogamentos ocorrem quase sempre com pessoas que sabem nadar ou pensam que sabem. “Não acontece somente em áreas litorâneas, ocorre muito na nossa região. Atenção redobrada com criança”, alertou.

Vídeo!

DIÁRIO DO SERTÃO

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan

DIÁRIO ESPORTIVO

Diário Esportivo recebe os organizadores do 1º Eco pedal e o garoto prodígio do futebol Luiz Felipe

MENSAGEM DE ESPERANÇA

Programa Mensagem de Esperança com Maria Vitória e Rodrigo Almeida 11.08.2017

INTERVIEW

Educadora fala da infância difícil e sua trajetória de sucesso: ‘Faltava dinheiro, mas não alegria’